1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Voo MH 370 caiu no sul do Oceano Índico, diz premiê da Malásia

O Estado de S. Paulo

24 Março 2014 | 11h 12

Empresa aérea oferece condolências a famílias de passageiros de boeing e diz que buscas continuam

(Atualizada às 16h18) KUALA LAMPUR - O primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, confirmou nesta segunda-feira, 24, que o voo MH 370 caiu no sul do Oceano Índico.  De acordo com o premiê, novos dados de satélites analisados por uma empresa britânica levaram à conclusão de que o Boeing 777-200 com 239  pessoas a bordo saiu da rota prevista, percorreu o chamado corredor sul entre o Sudeste Asiático e a costa oeste da Austrália e caiu a sudoeste de Perth. A Malaysia Airlines divulgou um comunicado no qual oferece condolências às famílias dos passageiros e tripulantes do voo e informa que as buscas continuam.

Antes do anúncio de Razak, parentes de passageiros disseram que a companhia enviou uma mensagem de texto afirmando que todos que estavam a bordo do avião morreram. "Lamentamos profundamente que temos de aceitar que o voo MH 370 se encerrou e que ninguém que estava a bordo sobreviveu. Como vocês vão ouvir na próxima hora do primeiro-ministro da Malásia, agora nós temos de aceitar que todas as evidências mostram que o avião caiu no sul do Oceano Índico", dizia a mensagem mostrada ao NYT pela americana Sarah Bjac. O namorado dela estava no avião.

Veja também:

link Acompanhe a cobertura ao vivo no Radar Global

link Siga-nos no Twitter

link Curta nossa página no Facebook

" É com profunda tristeza que informo que o avião terminou sua jornada no sul do Oceano Índico", disse o primeiro-ministro. "Amanhã haverá uma nova coletiva com novos detalhes sobre o caso." Leia aqui a íntegra do comunicado.

No comunicado da Malaysia Airlines, a empresa diz que é preciso aceitar que todas as informações disponíveis levam a crer que o avião tenha "encerrado seu voo" no mar e oferece condolências pelas 239 pessoas a bordo.  Parentes das vítimas foram levados em voos fretados de Pequim para a Austrália, onde estão sediadas as buscas.

"Sabemos que não há palavras que nós ou qualquer pessoa pode dizer para amenizar a dor de vocês", diz o texto. "Continuaremos a oferecer ajuda e apoio, como temos feito desde o desaparecimento do voo em 8 de março. Oferecemos nossos pensamentos, orações e condolências a todos afetados por essa tragédia."

Novos indícios. Mais cedo,  a operação internacional de busca do avião da Malaysia Airlines que desapareceu com 239 pessoas a bordo em 8 de março avistou nesta segunda-feira, 24, dois objetos no Oceano Índico que podem ser destroços do boeing 777-200. Um dos objetos é circular e o outro, retangular.Eles foram retirados da água e uma análise determinará se pertenciam ao voo MH 370.

"Todo mundo está bastante animado com sucesso das buscas de hoje", disse o tenente australiano Josh Willians, que encontrou os destroços que podem ser do voo MH 370.

O avião, que ia de Kuala Lampur para Pequim desapareceu dos radares após 40 minutos de voo e fez uma curva brusca para a esquerda. Os dois pilotos da aeronave estão sendo investigados mas ainda não se sabe o que provocou a mudança de rota.

O copiloto do voo MH370, Fariq Abdul Hamid, estreante na condução de boeings 777-200 não passou por um procedimento padrão pelo qual teria de fazer seus primeiros cinco voos com um copiloto adicional. "Não vimos nenhum problema com ele", disse a empresa, por meio de nota. / REUTERS, AP e EFE