WikiLeaks: EUA citam Brasília como vulnerável ao terrorismo

Sistema de segurança aérea foca combate ao tráfico, e não ataques, segundo telegrama americano

Agência Estado

12 Dezembro 2010 | 12h33

SÃO PAULO - A cidade de Brasília seria vulnerável a potenciais atentados terroristas nos quais aviões seriam usados como armas, revela neste domingo, 12, um telegrama da embaixada dos EUA no Brasil em 2009, assinado na pelo então embaixador americanos Clifford Sobel. O documento foi publicado pelo site WikiLeaks.

 

Veja também:

especialEspecial: Por dentro do WikiLeaks

blog Radar Global: principais vazamentos do 'cablegate'

lista Veja tudo o que foi publicado sobre o assunto

 

A capital estaria vulnerável porque os procedimentos para fechamento do espaço aéreo foram desenvolvidos com foco nas vastas áreas do Norte do País para combate à ação de aeronaves traficando drogas, e não para coibir potenciais ataques às cidades.

 

A mensagem diz que o roubo de uma aeronave de pequeno porte ativou procedimentos de fechamento do espaço aéreo no Brasil. A proximidade com o Distrito Federal foi vista como uma ameaça, com a possibilidade de a aeronave ser utilizada como uma arma.

 

O telegrama foi divulgado na página do WikiLeaks na internet e faz parte dos mais de 250 mil documentos diplomáticos dos EUA vazados vazados pelo website.

 

O despacho diplomático narra que o roubo de um monomotor ocorrido em Luziânia, em Goiás, no entorno do Distrito Federal, em 2009. Depois de duas horas, a aeronave foi jogada, propositalmente, contra um estacionamento em Goiânia, segundo relatos feitos no telegrama. "O incidente foi notável, pois provocou uma rara ativação dos procedimentos de fechamento do espaço aéreo brasileiro", acrescenta a comunicação, vazada no site do WikiLeaks.

 

Diante da proximidade com o Distrito Federal e a falta de qualquer plano de voo, a Controladoria de Tráfego Aéreo notificou o Controle de Defesa Aérea, que enviou aviões da Base Aérea de Anápolis para interceptar, observar e tentar comunicação, continua o documento, que cita relato do Comando de Defesa Aérea para o chefe da Força Aérea, brigadeiro Junito Saito. Ele teria dito que quando o avião, repentinamente, rumou para uma área densamente povoada e para um shopping center, os controladores a viram como uma ameaça, com a possibilidade de que o avião roubado pudesse ser usado como uma arma.

 

Saito entrou em contato com o ministro da Defesa, Nelson Jobim, e com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a possibilidade de ordenar o fechamento do espaço aéreo diante da ameaça aos civis. Durante as discussões, o avião caiu sobre o estacionamento do shopping.

 

A avaliação de vulnerabilidade do espaço aéreo de Brasília em relação a uma "potencial ação terrorista", na opinião da embaixada dos EUA no Brasil, tem origem no questionamento de Sobel, "uma vez que uma decisão não teria sido tomada em tempo para impedir o piloto, se ele tivesse sido capaz de colidir com seu alvo ou outro prédio, incluindo Brasília".

 

Com base nas discussões com a Força Aérea Brasileira e Controladoria de Tráfego Aéreo, diz o telegrama, os brasileiros consideraram eficientes os procedimentos de fechamento do espaço aéreo, mas podem buscar formas de acelerar a tomada de decisão durante um potencial ataque terrorista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.