Geoff Caddick/AFP
Geoff Caddick/AFP

WikiLeaks publicará 2,4 milhões de e-mails do governo sírio

Documentos revelam comunicações entre Damasco e companhias ocidentais

AE, Agência Estado

05 Julho 2012 | 10h43

LONDRES - O WikiLeaks informou nesta quinta-feira, 5, que vai publicar 2,4 milhões de e-mails de autoridades da Síria, muitos deles relacionados a funcionários do governo.

Veja também:

link‘Há uma perseguição dos EUA a Assange’

linkAssange diz que não deixará Embaixada em Londres

video Síria na mira do Wikileaks

Sarah Harrison, porta-voz do site, disse que os documentos revelam comunicações entre o governo sírio e companhias ocidentais. Harrison citou o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, dizendo que "o material é embaraçoso para a Síria, mas também é constrangedor para os adversários externos do país".

O site trouxe a público apenas uma parte dos documentos, porém a divulgação não é o primeiro grande vazamento de e-mails sírios. Em fevereiro, o jornal israelense Haaretz publicou trechos do que disse ser e-mails hackeados de servidores sírios pelo Anonymous, um grupo ativista na internet. Em março, o periódico britânico The Guardian publicou e-mails provenientes de ativistas da oposição síria.

Harrison disse que os novos e-mails datam de agosto de 2006 a março de 2012 e se originam de centenas de domínios diferentes, incluindo o Ministério dos Assuntos Presidenciais da Síria.

Assange, que busca asilo na embaixada do Equador em Londres, não estava na apresentação. Ele é procurado pela polícia britânica para possível extradição para a Suécia, onde enfrenta acusações de crimes sexuais. Harrison reconheceu que o WikiLeaks está enfrentando "um período difícil no momento", mas afirmou que "vamos continuar a trabalhar em meio às dificuldades".

As informações são da Associated Press.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.