Ted Aljibe/ AFP
Ted Aljibe/ AFP

Áreas costeiras das Filipinas são esvaziadas por risco de tsunami

Três terremotos com magnitude de 5,0 a 5,9 sacudiram a Ilha de Luzón, na região central do país, durante um período de 20 minutos

O Estado de S.Paulo

08 Abril 2017 | 07h46
Atualizado 08 Abril 2017 | 17h14

MANILA - Centenas de moradores de áreas costeiras em uma província ao sul da capital filipina fugiram para locais mais altos temendo um tsunami após uma série de terremotos atingirem ilha principal de Luzón, região central do país, na manhã deste sábado, 8. Três terremotos com magnitude de 5,0 a 5,9 graus da escala Richter sacudiram a Província de Batangas, a cerca de 90 km ao sul de Manila, durante um período de 20 minutos, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

"Os moradores de áreas costeiras de duas cidades foram deslocados para terrenos mais seguros depois dos terremotos", disse Lito Castro, chefe do conselho provincial de desastres, à rádio local. Renato Solidum, chefe do Instituto Filipino de Vulcanologia e Sismologia, disse que o evento não foi suficientemente poderoso para causar um tsunami. 

Até o momento, não houve relatos de baixas, mas a energia foi cortada em algumas áreas e fissuras foram relatadas em casas e alguns edifícios comerciais. Deslizamentos também foram relatados em algumas cidades e parte da torre de uma igreja católica desmoronou. A região tem presenciado tremores desde o início desta semana.

As Filipinas fazem parte do chamado Círculo de Fogo do Pacifico, uma área de grande atividade sísmica e vulcânica que é atingida por cerca de 7 mil tremores por ano, a maioria deles moderados. / REUTERS e EFE

Mais conteúdo sobre:
Terremoto Filipinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.