Lynsey Addario para The New York Times
Lynsey Addario para The New York Times

Estudos mostram que pessoas se impressionam mais com agressão a animais do que a humanos

As iniciativas de auxílio aos animais, no entanto, também podem encorajar a compaixão entre as pessoas

Nicholas Kristof, The New York Times

14 Abril 2018 | 10h00

BAYANGA, REPÚBLICA CENTRO-AFRICANA - Os primatas mais fofos do mundo podem ser Inguka e Inganda, gorilas gêmeos que brincam rolando um sobre o outro aqui na vastidão da floresta tropical de Dzangha Sangha, um dos melhores lugares para encontrar gorilas, antílopes e elefantes brincando. 

 

O único risco: eles são tão descuidados e destemidos em relação às pessoas que praticamente podem cair em seu colo, e o pai do bebê, um gorila dominante de dorso acinzentado, de 170 quilos, pode ficar bravo com isso.

Essa região, em que República Centro-Africana, Camarões e República do Congo se encontram, é uma das partes mais selvagens do mundo, e os três países criaram parques nacionais nas áreas fronteiriças. Eu também visitei uma clareira na floresta habitada por 160 elefantes e um grande rebanho de antílopes-bongo, além de alguns búfalos-africanos. Era como uma cena de um filme da Disney, e me derreti todo.

Ainda que eu fique sentimental diante da majestade da vida selvagem, às vezes me sinto inquieto. Imagino: garantir direitos dos animais vai contra a garantia de direitos humanos?

Um estudo constatou que pessoas submetidas a pesquisas ficam mais impressionadas com histórias de cães espancados com tacos de beisebol do que com relatos de pessoas espancadas de maneira similar. Outros pesquisadores constataram que, se tivessem de escolher, 40% das pessoas salvariam seu cachorro de estimação em vez de um turista estrangeiro.

Quando a morte a tiros do leão Cecil, no Zimbábue, atraiu muito mais assinaturas em uma petição do que a morte a tiros de Tamir Rice, de 12 anos, em Cleveland, Ohio, que foi baleado por um policial, a escritora Roxane Gay tuitou: “Começarei a usar uma fantasia de leão quando sair de casa, para que, se eu tomar um tiro, as pessoas se importem”. 

Anos atrás, visitei um acampamento numa floresta tropical em que uns 20 jovens americanos e europeus trabalhavam como voluntários, sob duras condições, para cuidar de gorilas, como parte de um programa de conservacionismo. O altruísmo era impressionante - mas aqueles idealistas não demonstravam se importar com os pigmeus que morriam de malária nas aldeias próximas, por não conseguir obter para suas camas mosquiteiros que custam US$ 5.

Então, estamos traindo nossa própria espécie quando preenchemos cheques para ajudar os gorilas? Trata-se de um equívoco lutar por elefantes e rinocerontes ao mesmo tempo em que 5 milhões de crianças ainda morrem anualmente antes dos 5 anos?

Essa é uma questão legítima, que tenho considerado ao longo dos anos. Mas passei a acreditar que, pelo contrário: preservar rinocerontes ou gorilas é bom também para os humanos.

No nível mais geral, é um erro opor a piedade aos animais à piedade aos humanos. Compaixão por outras espécies também pode encorajar compaixão entre humanos. Empatia não é um jogo de soma zero.

As organizações mundiais de conservacionismo melhoraram muito no sentido de oferecer um papel a habitantes locais para a sobrevivência das espécies. O World Wildlife Fund (WWF), que ajuda a administrar a Área de Proteção Dzanga Sangha, mantém uma clínica médica e está iniciando um projeto educacional. O refúgio contrata 240 funcionários locais, de guardas a rastreadores de animais, que localizam os gorilas e fazem com que eles se habituem às pessoas.

“Essas iniciativas são boas para nós”, afirmou Dieudonné Ngombo, um dos rastreadores. “Trabalhamos e obtemos um salário, então, nossos filhos vivem melhor e nós dormimos sossegados."

Martial Yvon Amolet, do Centro de Direitos Humanos de Bayanga, que é mantido pela Área de Proteção Dzanga Sangha, afirma que os pigmeus BaAka gostam dos esforços de conservacionismo “porque, para os BaAka, o fim da floresta significa o fim de sua cultura e sua identidade”.

Luis Arranz, biólogo espanhol especializado em vida selvagem, que dirige os projetos do WWF na República Centro-Africana, acrescenta que os programas de conservacionismo dependem do apoio dos habitantes locais para combater a caça ilegal. Em média, um ou dois elefantes ainda são mortos por mês por aqui, mas este número seria muito maior sem os olhos atentos nas comunidades.

No ano passado, 200 eco-turistas estrangeiros vieram aqui - em 2015, não veio nenhum. Enquanto outras partes da República Centro-Africana estão tomadas por conflitos, Dzanga Sangha se mantém longe dos combates. Arranz espera que 700 visitantes venham este ano, mas o potencial é bem maior.

Dito de maneira simples: um dos recursos mais importantes de alguns países pobres é a vida selvagem. Os rinocerontes-brancos-do-norte estão à beira da extinção por causa da caça ilegal que atende à demanda chinesa por chifres de rinocerontes. O último macho da espécie morreu recentemente no Quênia. Quando os animais se vão, as perspectivas econômicas dos humanos também diminuem.

Então, compaixão por elefantes, rinocerontes ou gorilas não é sentimentalismo sem alma, e sim um reconhecimento prático de interesses compartilhados entre animais bípedes e quadrúpedes. Vá em frente, abrace as causas dos animais sem nenhuma gota de culpa.

“O que é bom para os animais também é bom para os pigmeus”, me disse Dieudonné Kembé, pigmeu que trabalha em Dzanga Sangha. Ele afirmou ainda que, sem os programas de conservacionismo, “os animais já não existiriam”. “E talvez nós já não existíssemos também.”

Mais conteúdo sobre:
animal selvagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.