Médecins Sans Frontières via AP
Médecins Sans Frontières via AP

Ataque a hospital do Médicos sem Fronteiras mata 19 no Afeganistão

Militares dos Estados Unidos confirmam bombardeio na região nesta madrugada; unidade de saúde era administrada pelo grupo Médicos Sem Fronteiras

Redação com agências

03 Outubro 2015 | 09h23

Atualizado às 14h46

Militares dos Estados Unidos reconheceram neste sábado que podem ter bombardeado um hospital administrado pelo grupo da organização humanitária Médicos sem Fronteiras (MSF) na cidade afegã de Kunduz em um ataque aéreo que matou pelo menos 19 pessoas. De acordo com nota divulgada pela MSF, 12 profissionais e ao menos sete pacientes, incluindo três crianças, foram mortos. Quase 40 pessoas foram feridas, incluindo 19 funcionários de saúde. 

O incidente poderia renovar preocupações sobre o uso do poder aéreo dos EUA no Afeganistão, uma questão controversa. O ex-presidente Hamid Karzai se desentendeu com seus apoiadores em Washington sobre o número de civis mortos por bombas.

Os combates se desenrolaram ao redor da capital provincial de Kunduz conforme forças do governo apoiadas pelo poder aéreo norte-americano procuram expulsar militantes do Taliban que tomaram a cidade há seis dias na maior vitória de sua insurgência de quase 14 anos.

Apesar de o governo alegar ter tomado o controle da área, uma competição acirrada com o Taliban continua. Forças de segurança afegãs abriram caminho em Kunduz, há três dias, mas as batalhas continuam em muitos lugares, com o Taliban se escondendo nas casas das pessoas.

As forças dos EUA lançaram um ataque aéreo às 02h15 da madrugada, disse o porta-voz, coronel Brian Tribus, em comunicado.

"O ataque pode ter resultado em dano colateral a um centro médico nas proximidades", acrescentou. "Este incidente está sob investigação."

No hospital bombardeado do grupo humanitário, uma parede desabou, espalhando fragmentos de vidro e molduras de portas de madeira, e três quartos ficaram em chamas, disse Saad Mukhtar, diretor de saúde pública em Kunduz.

(Com informações da Reuters e Médicos sem Fronteiras)

Mais conteúdo sobre:
AFEGANISTAO EUA ATAQUE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.