Bombardeios de coalizão árabe deixam pelo menos 44 mortos no Iêmen

O local alvo do ataque é reduto dos rebeldes xiitas, apoiados pelo Irã

EFE

16 Dezembro 2017 | 09h36

SANÁ - Pelo menos 44 pessoas morreram na noite de sexta-feira, 15, em vários bombardeios da coalizão árabe, liderada pela Arábia Saudita, no norte e no oeste do Iêmen, informou neste sábado a agência de notícias Saba, controlada pelos rebeldes houthis.

A aliança de países sunitas realizou ontem à noite vários ataques no município de Manbaa, situado na província de Saada, que causou a morte de 24 pessoas, segundo a agência, que acrescentou que o número de mortos pode aumentar dada a "brutalidade do crime e pela carbonização dos cadáveres que ainda não foram identificados".

+++ Arábia Saudita diz que lançamento de míssil do Iêmen é ato de guerra do Irã

Saada fica localizada no extremo noroeste do Iêmen e é o principal reduto dos rebeldes xiitas, que contam com o apoio do Irã.

Por outro lado, na província costeira de Al Hudaydah, situada no Mar Vermelho, a coalizão bombardeou o bairro de Al Mazaraah, no município de Al Juja, que provocou a morte de 20 pessoas, a maioria mulheres e crianças.

+++ Filho de ex-ditador do Iêmen promete se vingar de houthis que assassinaram seu pai

As forças governamentais, apoiadas pelas tropas dos Emirados Árabes Unidos e do Sudão, controlaram na semana passada o município de Al Juja, situado a 10 quilômetros de um porto militar.

Nas últimas 48 horas, a coalizão intensificou seus ataques no Iêmen, que causaram mais de 70 mortos.

Os rebeldes houtis controlam a capital Saná e amplas áreas do norte e do oeste do Iêmen, e disputam a liderança do país com o governo do presidente iemenita , Abdo Rabu Mansur Hadi, exilado na Arábia Saudita, que é reconhecido internacionalmente. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.