Bombardeios israelenses contra Gaza ferem 10 palestinos

Ataques ocorrem após grupo filiado às Brigadas de Ansar al-Sunna lançar duas bombas contra Israel

Efe,

22 Novembro 2009 | 11h37

Pelo menos dez palestinos ficaram feridos na madrugada deste domingo em três bombardeios da Aviação israelense contra o sul, o centro e o norte da Faixa de Gaza. O primeiro ataque aconteceu em Rafah, na fronteira com o Egito, quando as forças israelenses lançaram dois mísseis ar-terra que destruíram totalmente três túneis de contrabando, informaram à Agência Efe testemunhas no local.

 

O segundo bombardeio foi realizado por F16 israelenses sobre uma ourivesaria no campo de refugiados de Al-Bureij, no centro de Gaza, enquanto o terceiro destruiu uma oficina metalúrgica na rua Yafa, no norte de Cidade de Gaza.

 

O chefe dos serviços de emergência de Gaza, Muawiya Hassanein, disse à Agência Efe que cinco trabalhadores dos túneis ficaram feridos nos bombardeios e outros cinco palestinos sofreram ferimentos nos outros dois ataques.

 

Os bombardeios ocorrem depois que um grupo filiado às Brigadas de Ansar al-Sunna lançou ontem duas bombas contra o território israelense e um terceiro grupo disparou um foguete de fabricação caseira, nenhum dos quais causou vítimas. Este é o maior ataque aéreo israelense contra Gaza desde o fim, em janeiro, da ofensiva militar que causou a morte de mais de 1,4 mil palestinos, na maioria civis.

 

O Exército israelense confirmou os ataques em comunicado, indicando que foi atacada "infraestrutura terrorista". "Aviões de combate da Força Aérea israelense fizeram alvo em duas fábricas de armas no norte e no centro de Gaza, e em um túnel de contrabando na área fronteiriça de Rafah, em resposta ao lançamento de um foguete Qassam contra a cidade de Sderot no sábado de manhã", afirma a nota. "As forças de defesa de Israel não tolerarão ataques de organizações terroristas contra Israel e contra seus cidadãos", adverte.

 

Os bombardeios ocorrem horas depois de o movimento islâmico Hamas, que governa em Gaza, anunciar um acordo com os grupos armados palestinos para não disparar foguetes contra Israel sem consentimento prévio de todas as milícias.

 

"Queremos que qualquer passo seja dado mediante acordo entre as partes, especialmente depois da última guerra, a fim de dar um respiro aos habitantes", disse ontem o ministro do Interior do Governo do Hamas em Gaza, Fathi Hamed.

Mais conteúdo sobre:
Israel Gaza bombardeio Palestina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.