Forças de Kadafi voltam a atacar Brega; líder rebelde rejeita diálogo

Segundo testemunhas, avião bombardeou complexo petrolífero, atualmente controlado por rebeldes

Estadão.com.br

03 Março 2011 | 07h44

BREGA - Pelo segundo dia seguido, as forças do líder líbio, Muamar Kadafi, voltaram a atacar às 7h (2h pelo horário de Brasília) nesta quinta-feira, 3, a cidade petroleira de Brega, cerca de 200 quilômetros ao oeste de Benghazi, que está sob o domínio das froças rebeldes.

 

Veja também:

especialTwitter: Acompanhe os relatos do enviado do Estado

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Os mil e um nomes de Kadafi

lista Análise:  Revoluções marcam o o retrocesso da Al-Qaeda  

 

Testemunhas disseram que um avião bombardeou o terminal petrolífero de Brega, no leste, um dia depois de as tropas de Kadafi terem lançado uma ofensiva terrestre e aérea contra a cidade, rechaçada pelas forças rebeldes que a controlam.

 

 

Um porta-voz de um grupo de rebeldes, que exibiam em um posto de controle os restos dos projéteis lançados pelas forças aéreas, assegurou à agência EFE que não há, por enquanto, registro de vítimas.

 

As testemunhas não sabiam informar qual era o alvo exato dos aviões, mas há suspeitas de que se tratava da pista de aterrissagem pertencente ao imenso complexo petrolífero.

Um dos líderes do levante contra o regime de Kadafi -- que governa o país há 41 anos --,disse nesta quinta-feira que rejeitará qualquer proposta de conversações com ele para pôr fim ao conflito.

O presidente do Conselho Nacional Líbio (um órgão criado pelos rebeldes), Mustafa Abdel Jalil, afirmou que rejeita inteiramente o conceito de conversações com Kadafi, segundo informou um correspondente da TV árabe Al-Jazira nesta quinta-feira.

Abdel Jalil também disse que ninguém foi contatado para tratar da iniciativa da Venezuela de tentar pôr fim à crise líbia.

 

A Liga Árabe estuda um plano para pôr fim aos confrontos na Líbia e os Estados Unidos temem que o país possa se transformar num "Somália gigante".

Nesta quinta-feira, o líder da Liga Árabe, Amr Moussa, afirmou que um plano de paz proposto pela Venezuela estava sendo avaliado, mas nenhuma decisão havia sido tomada.

 

Com informações da Reuters, Efe e Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
LIBIA GADDAFI BOMBARDEIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.