Irã quer novas negociações na AIEA sobre programa nuclear

Proposta - apoiada por Rússia, França e EUA - visa a reduzir o estoque iraniano de urânio enriquecido

Reuters,

02 Novembro 2009 | 10h42

O governo do Irã anunciou nesta segunda-feira, 2, que quer discutir mais a proposta preliminar apresentada pela ONU sobre seu programa nuclear, na qual quer inclusas garantias de que irá receber o combustível para um reator de pesquisas, e que deseja comprar combustível nuclear de qualquer país que lhe oferecer o material, o que significaria que o país não exportaria o urânio enriquecido para as potências mundiais, conforme informou o enviado de Teerã à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). 

 

Veja também:

link Coreia do Norte pede aos EUA que voltem ao diálogo bilateral

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

"Queremos comprar combustível de qualquer fornecedor", disse Ali Asghar Soltanieh, o máximo representante do Irã frente a AIEA. A afirmação do diplomata indica que o país estaria rejeitando a proposta do órgão da ONU para exportar seu urânio de baixo enriquecimento e depois recebê-lo de volta pronto para usos pacíficos.

 

Soltanieh, entretanto, se esquivou ao responder se a decisão seria uma forma de a República Islâmica rejeitar o acordo proposto pela AIEA e disse também que seu país deseja mudanças básicas na proposta, pela qual enviaria grande parte de seu urânio de baixo enriquecimento (LEU, na sigla em inglês) ao exterior para processamento. Quando o LEU tiver se transformado em um combustível refinado, será devolvido para alimentar um reator de pesquisas de Teerã.

Soltanieh disse que são necessárias mais discussões "a fim de garantir que nossas preocupações técnicas, e principalmente a questão da garantia de fornecimento de combustível, sejam levadas em consideração". "Estamos prontos para a próxima rodada de discussões técnicas em Viena na sede da AIEA", disse, acrescentando que a AIEA agora deveria estabelecer uma data adequada.

Soltanieh deu a resposta inicial do Irã à AIEA sobre a proposta na sexta-feira, depois de negociações em Viena entre 19 e 21 de outubro. Diplomatas ocidentais dizem que o Irã também pediu para receber combustível para o reator de Teerã antes de enviar seu urânio de baixo enriquecimento ao exterior e que as exigências iranianas são inaceitáveis porque a proposta dessa forma não diminuiria a capacidade do Irã de fabricar uma arma atômica se quisesse.

 

Resposta

 

O chefe da AIEA, Mohamed ElBaradei, intimou o Irã a responder rapidamente sobre a proposta da agência, acrescentando que o plano é uma chance que o país islâmico tem para construir uma relação de confiança sobre suas ambições nucleares.

 

"Eu agora peço ao Irã que dê o mais breve possível a resposta para a proposta baseada na iniciativa da França, da Rússia e dos EUA que tem o objetivo de engajar o Irã em uma relação de confiança", afirmou ElBaradei na Assembleia Geral da ONU.

 

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, pediu também na segunda que o Irã aceita a proposta e afirmou que as potências e a AIEA não mudarão o documento apresentado.

 

"Pedimos ao Irã que aceite o acordo proposto. Não vamos mudá-lo", disse Hillary, acrescentando que este é um momento chave nas negociações sobre o programa nuclear da República Islâmica.

Mais conteúdo sobre:
Irã nuclear AIEA urânio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.