Israel destrói túnel em construção do Hamas

Túnel partia de Gaza para o território israelense

O Estado de S.Paulo

10 Dezembro 2017 | 09h13

O exército israelense descobriu e destruiu, pela segunda vez em um mês e meio, um túnel palestino que partia de Gaza ao território do país. A autoria do túnel foi atribuída ao movimento islâmico Hamas.

"Descobrimos, expusemos e demolimos outro túnel dentro do território israelense" que foi escavado da região central da Faixa de Gaza, em Khan Younis, viajou por esse território por um quilometro e adentrou duzentos metros para Israel, onde a saída ainda não havia sido construída, segundo o comandante militar e o porta-voz israelense Tenente-Coronel Jonathan Conricus, em coletiva de imprensa por telefone.

O porta-voz disse que nenhuma morte foi registrada no momento devido à destruição do túnel. O mesmo não ocorreu em 30 de outubro, quando 12 militantes morreram durante a destruição de um túnel semelhante construído pela Jihad Islâmica. Conricus assegurou que eles têm informações suficientes para afirmar que é uma estrutura do Hamas, que ele culpa por qualquer tratamento hostil contra Israel do enclave costeiro sob bloqueio desde a invasão violenta dos islâmicos em 2007. O comandante disse que a descoberta, que o Exército estava ciente durante várias semanas, foi realizada graças a "um novo sistema" de defesa que foi usado, em parte, durante a detonação do último corredor.

+ As palavras de Trump sobre Jerusalém

Os militares insistiram queIsrael "não busca um aumento de tensão", que cresceu na região nos últimos dias após o anúncio do presidente dos EUA, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel, e explicou que o túnel "é algo diferente da violência vista durante o fim de semana".

Israel alega que enfoca parte de seus esforços para acabar com essas infra-estruturas ofensivas, criadas para perpetrar ataques contra o país, e essa foi uma das principais razões pelas quais lançou em 2014 uma grande operação militar contra milícias palestinas no enclave costeiro./EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.