Israel vai deportar palestina em greve de fome para Gaza

Uma palestina que faz greve de fome em protesto por estar presa sem acusação formal será deportada para a Faixa de Gaza, sob a condição de encerrar o jejum, disseram ambas as partes na quinta-feira.

ALI SAWAFTA, REUTERS

29 Março 2012 | 18h52

Hana Shalabi, filiada ao grupo militante Jihad Islâmica, parou de se alimentar depois de ser detida em 16 de fevereiro por soldados israelenses na Cisjordânia ocupada. Num curto espaço de tempo, ela foi a segunda presa palestina a entrar em greve de fome, e mais de 20 outros casos se seguiram.

Qadoura Fares, do Clube dos Prisioneiros Palestinos, disse que Shalabi, de 30 anos, aceitou um exílio de três anos em Gaza, território palestino fisicamente separado da Cisjordânia, e que está sob bloqueio israelense. Em troca, disse Fares, ela se comprometeu a encerrar a greve de fome.

Militares israelenses disseram que Shalabi vai ser deportada "nos próximos dias", e prometeu "evitar qualquer envolvimento com a atividade terrorista".

Mas Jawwad Boulous, advogado da presa, disse não saber quando o acordo poderá ser implementado, devido ao delicado estado de saúde dela. As autoridades israelenses dizem que Shalabi não se alimenta há 40 dias, mas representantes dela dizem que o jejum já dura 44 dias.

(Reportagem adicional de Nidal al-Mughrabi)

Mais conteúdo sobre:
ORMED GREVEDEFOME*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.