Judeus ultra-ortodoxos protestam em fábrica da Intel em Israel

Centenas de judeus ultra-ortodoxos fizeram um protesto neste sábado na nova fábrica de chips da Intel em Israel, manifestando-se contra o trabalho durante o período do shabat.

REUTERS

21 Novembro 2009 | 16h54

Policiais dispersaram os manifestantes e prenderam vários deles por conduta violenta.

Os ultra-ortodoxos disseram que abrir as instalações é uma dessacralização do shabat, que começa na noite de sexta e vai até a noite de sábado. Um protesto semelhante foi realizado na semana passada.

Os protestos reforçaram as tensões entre a população judia secular de Israel e a minoria ortodoxa, que segue antigas leis religiosas que proíbem as pessoas de dirigir e trabalhar no shabat.

Judeus ultra-ortodoxos fizeram protestos parecidos na cidade nos últimos meses durante a abertura de um estacionamento aos sábados. Em julho, a manifestação foi contra a prisão de uma mulher ortodoxa suspeita de deixar seu filho de três anos sem comida.

Israelenses seculares e religiosos em Jerusalém vivem em um delicado equilíbrio. Nos bairros ortodoxos, as famílias se vestem em tradicionais roupas negras para irem às sinagogas durante o shabat e em feriados judaicos. No centro da cidade, os judeus seculares frequentam bares e restaurantes que não seguem preceitos judaicos.

(Reportagem de Yehuda Gruber)

Mais conteúdo sobre:
ORMED JUDEUS INTEL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.