Associated Press
Associated Press

Marinha de Israel intercepta navio carregado com armas

Ministério da Defesa acredita que armamento iria do Irã para as mãos do grupo libanês Hezbollah

Agência Estado e Associated Press,

04 Novembro 2009 | 11h45

Comandos navais israelenses apreenderam um navio nesta quarta-feira, 4, que levava mais de 60 toneladas de mísseis, foguetes e armas antitanque do Irã para o grupo militante libanês Hezbollah, segundo funcionários da Defesa de Israel.

 

A captura ocorreu durante a madrugada, perto do Chipre. Israel acusa há tempos o Irã de armar os inimigos israelenses, mas não foram oferecidas, porém, provas de que o material iria para o grupo militante xiita do Líbano.

 

As armas incluem mísseis antitanque e foguetes Katiusha e estavam em uma embarcação comercial, operando sob o disfarce de um navio de auxílio humanitário, tendo como capitão um polonês e sob a bandeira de Antígua e Barbuda, segundo as fontes israelenses, que pediram anonimato.

 

Baseando-se em relatórios de inteligência, uma unidade naval patrulhando a área interceptou e entrou na embarcação sem qualquer incidente. O vice-ministro da Defesa Matan Vilnai disse que a tripulação não sabia sobre a carga do navio, chamado Francop.

 

A embarcação foi levada para o porto de Ashdod, no sul israelense, onde as armas foram descarregadas. Ela era operada pela United Feeder Services, uma companhia sediada no Chipre que disse ter pegado a carga em Damietta, no Egito. Segundo um funcionário da empresa, que pediu anonimato, a embarcação partiu do Egito para o Chipre e dali seguiria para Líbano e Turquia. Segundo ele, a companhia não sabia o que havia em cada container nem a origem da carga.

 

Um alto oficial do Exército libanês se recusou a comentar a notícia, dizendo que o fato ocorreu fora das águas do país. Já o ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, qualificou a interceptação como "outro triunfo contra as seguidas tentativas de contrabandear armas para reforçar elementos terroristas ameaçando a segurança de Israel". Segundo o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, as armas teriam como objetivo "atingir cidades israelenses".

 

Em janeiro de 2002, forças israelenses capturaram uma fragata com 50 toneladas de armas, que segundo as autoridades seguiriam para militantes palestinos na Faixa de Gaza.

 

A fronteira entre Líbano e Israel esteve calma desde 2006, quando Israel e o Hezbollah travaram uma dura guerra em 2006. Israel advertiu, porém, que os membros do grupo militante têm se rearmado e agora possuem aproximadamente 40 mil foguetes.

Mais conteúdo sobre:
Israel armas Irã Zebollah apreensão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.