1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Milhares de crianças refugiadas sírias são forçadas a trabalhar no Líbano

REUTERS

12 Junho 2014 | 11h 05

Ao menos 50 mil crianças sírias refugiadas no Líbano estão trabalhando, em condições terríveis e por 12 horas por dia para pagar por comida e abrigo para suas famílias, informou a organização humanitária Care.

Mais de 1 milhão de refugiados sírios vivem no Líbano, representando um quarto da população do país, depois de ter fugido de uma guerra civil que já está em seu quarto ano e deixou mais de 160 mil mortos.

Apenas 50 por cento das crianças de famílias refugiadas sírios na região frequentam a escola, e apenas 30 por cento no Líbano, afirma a Care.

Crianças que trabalham como vendedores ambulantes dizem que estão ganhando menos de 5 dólares por dia. Outras trabalham em cafés e mercados ou em fazendas e obras. Algumas dizem viajar por horas em ônibus para a capital, Beirute.

Na Jordânia, onde vivem cerca de 600 mil refugiados sírios, o trabalho infantil em todo o país dobrou desde o início da guerra e envolve 60 mil crianças, afirmou a Care nesta semana.

A entidade está entregando dinheiro para as famílias na Jordânia e Líbano - que proibiu os campos de refugiados - para permitir que as crianças frequentem a escola em vez de trabalhar, mas os recursos são insuficientes.

"As condições são difíceis e a segurança das crianças não está garantida", afirmou por e-mail Johanna Mitscherlich, Coordenadora de Comunicações de Emergência Regional para a Care, lembrando que a habitação é insuficiente e que as famílias enfrentam dificuldade para obter uma ou duas refeições por dia.

Esta quinta-feira marca o Dia Internacional contra o Trabalho Infantil. Há cerca de 168 milhões de crianças trabalhando em todo o mundo, uma redução de um terço desde 2000, segundo a Organização Internacional do Trabalho.