Khalil Hamra/AP
Khalil Hamra/AP

Palestinos denunciam declaração dos EUA sobre Muro das Lamentações

Nova onda de violência causou a morte de quatro palestinos nos protestos da última sexta-feira

AFP

16 Dezembro 2017 | 10h10

RAMALLAH - Palestinos denunciaram neste sábado, 16, uma declaração de um alto funcionário da Casa Branca alegando que o Muro das Lamentações, localizado em Jerusalém Oriental, setor palestino da cidade anexado por Israel, deve permanecer sob controle israelense.

+++ Trump declara que Jerusalém é capital de Israel; palestinos veem ato de guerra

Esta declaração foi feita na sexta-feira, após outro dia de violência nos territórios palestinos entre forças israelenses e manifestantes contrários à decisão do presidente norte-americano Donald Trump de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel, feita em 6 de dezembro.

Quatro palestinos foram mortos e outras centenas de feridos naqueles confrontos.

"Não aceitamos qualquer modificação da fronteira em Jerusalém Oriental, ocupada desde 1967", disse Nabil Abu Rudeina, porta-voz do presidente palestino, Mahmoud Abbas, à agência France-Presse (AFP).

Segundo ele, esta "declaração prova mais uma vez que a administração dos EUA foi excluída do processo de paz".

Um alto funcionário da Casa Branca dos EUA disse ontem: "Não contemplamos qualquer cenário em que o Muro das Lamentações não seja parte de Israel".

Israel, que assumiu o controle da parte oriental da cidade durante a Guerra dos Seis Dias em 1967, considera a Cidade Santa como sua capital indivisível, enquanto os palestinos querem que Jerusalém Oriental seja a capital do estado a que eles aspiram. /AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.