Rebeldes sírios pedem retirada de armas pesadas para cessar-fogo

Esta é a primeira vez que um comandante rebelde sinaliza disposição para prosseguir com o plano proposto pelo enviado das Nações Unidas e da Liga Árabe, Kofi Annan

Reuters

31 Março 2012 | 13h48

Rebeldes sírios estão prontos para parar de lutar no momento em que o exército retirar seus tanques, artilharia e armamento pesado das áreas de oposição, um porta-voz do comando das tropas de libertação da Síria disse neste sábado.

Os rebeldes, que já estão há um ano em revolta contra a administração do presidente Bashar al-Assad, disseram não acreditar que o governo irá se comprometer com um cessar-fogo.

Mas o posicionamento anunciado pelo tenente-coronel Qassim Saad al-Din foi a primeira vez que qualquer comandante rebelde sinalizou disposição para prosseguir com o plano de cessar-fogo proposto pelo enviado das Nações Unidas e da Liga Árabe, Kofi Annan.

Anna já disse que o exército precisa dar o primeiro passo para se retirar de centros populosos, mas a Síria diz que as forças armas devem ser permitidas para manter a ordem.

"Não podemos aceitar a presença de tanques e tropas em veículos entre a população. Não temos problema com o cessar-fogo. Assim que removerem seus veículos blindados, não iremos disparar um único tiro", disse Saad al-Din à Reuters por telefone, falando de Homs, cidade que tem sido o centro de rebelião contra Assad.

Mais conteúdo sobre:
Síria rebeldes conflito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.