Síria não está disposta a negociar diretamente com Israel

Para presidente Bashar al-Assad, falta 'um parceiro israelense disposto a avançar' no diálogo

Efe,

13 Novembro 2009 | 16h20

O presidente da Síria, Bashar al-Assad, ignorou a oferta de negociação direta feita pelo primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, nesta sexta-feira, 13, porque falta "um parceiro israelense disposto a avançar".

 

Depois de se reunir em Paris com o presidente da França, Nicolas Sarkozy, Assad garantiu à imprensa que "o processo de negociação não pode voltar a começar com uma única parte". "A Síria quer a paz. Existe um mediador, que é a Turquia, e que está disposta a retomar a mediação. Existe também um apoio francês e europeu ao processo. O que nos falta é um parceiro israelense que queira avançar e conseguir um resultado", afirmou o presidente sírio.

 

Assad ressaltou que, se a oferta de diálogo que Netanyahu fez chegar ao presidente francês é "séria", o primeiro-ministro israelense poderia enviar uma equipe de analistas à Turquia, e a Síria faria o mesmo.

 

Israel e Síria voltaram a dialogar em 2008 por meio da Turquia. As conversas foram interrompidas pela ofensiva israelense à Faixa de Gaza iniciada em dezembro do ano passado e concluída em janeiro de 2009.

 

Para negociar, a Síria exige de Israel a restituição das Colinas de Golã, ocupadas em 1967 e anexadas em 1981, enquanto os israelenses não parecem dispostos a aceitar condições prévias para retomar as conversas. "A Síria tem direitos e não cederá jamais sobre eles", afirmou Assad, depois de se reunir com Sarkozy no Palácio do Eliseu.

 

Por outro lado, o presidente sírio pediu aos Estados Unidos para que se envolvam no Oriente Médio, já que, em sua opinião, "o ponto fraco é o 'padrinho' americano". "O que o presidente (americano, Barack) Obama expressou sobre a paz é bom. Concordamos com ele sobre os princípios, mas qual é o plano de ação?", perguntou Assad, ao lamentar que, após meses de encontros entre ambos os países, ainda não há suficiente "confiança entre Síria e EUA".

 

Assad também criticou a postura europeia que, nos últimos anos, "virou completamente para o lado dos EUA em detrimento da Síria".

Mais conteúdo sobre:
Síria Israel al-Assad

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.