Soldado capturado por milícias de Gaza pode ser solto

Fontes dizem que negociações para libertar Guilad Shalit, capturado em 2006, estão avançadas

Efe,

18 Novembro 2009 | 18h19

O soldado israelense, Guilad Shalit capturado em junho de 2006 por três milícias palestinas na faixa de Gaza, entre elas o braço armado Hamas, pode ser libertado a qualquer momento, disse a edição desta quarta-feira, 18, do jornal digital Haaretz.

 

O diário cita fontes próximas a familiares de prisioneiros árabes com cidadania israelense que afirmam ter recebido indícios e avanços nas negociações para chegar em um acordo que resulte na libertação do soldado de Israel.

 

Shalit, cabo do exército de Israel, foi capturado por membros de mílicas palestinas que fizeram um ataque contra uma base militar israelense próxima à fronteira com a Faixa de Gaza em junho de 2006 e permanece preso desde então.

 

O Movimento da Resistência Islâmica (Hamas), que controla oficialmente a Faixa de Gaza, exige a libertação de centenas de presos palestinos e árabes em troca de soltar o soldado israelense.

 

As fontes consultadas pelo jornal manifestaram otimismo em poder comemorar uma "festa dupla", referindo-se a celebração muçulmana do Eid el-Adha, a "Festa do Sacrifício", que começa na sexta-feira, 20.

 

O diário também conversou com algumas fontes ligadas ao Hamas, que admitiram que o caso pode evoluir para uma resolução final em breve. "O Hamas não pode nenhum nome da lista de prisioneiros", disseram as fontes do grupo islâmico, que mesmo assim mostraram vontade de aceitar um saída em que alguns prisioneiros sejam transferidos para outros países ao invés de Gaza e Cisjordânia.

 

O Egito tem exercido o papel de mediador nas negociações de troca de prisioneiros entre Israel e o Hamas. Porém, nenhum acordo rendeu resultados práticos, e Noam Shalit, pai do soldado israelense preso, declarou que "nada está acabado antes que esteja acabado".

Mais conteúdo sobre:
Guilad Shalit Israel Hamas Faixa de Gaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.