Papéis trocados na ONU: EUA saem de cena e Ahmadinejad fala em diálogo

adrianacarranca

24 de setembro de 2008 | 17h07

Uma cena passou quase despercebida aos olhos da imprensa internacional, durante a 63.ª Assembléia Geral das Nações Unidas: a delegação americana levantou-se, virou as costas e deixou vazios seus lugares no plenário durante a fala do presidente iraniano Mahmud Ahmadinejad, mantendo apenas um funcionário no local para fazer anotações.

A Assembléia é o principal fórum de debate da ONU e o único que reúne os representantes de todos os países-membros uma vez por ano na sede da organização em Nova York. Ao sair, os diplomatas americanos perderam pelo menos uma chance valiosa: a de mostrar ao mundo que estão, de fato, dispostos ao diálogo com um ameaçador Irã. Pelo contrário, sinalizam só estarem dispostos a ouvir quando o outro lhes agrada, atitude que fere a própria natureza da diplomacia.

Ahmadinejad, muito esperto, mudou o tom do discurso de outros anos e falou, pela primeira vez, em diálogo. Em entrevista ao apresentador Larry King, da CNN, disse que estaria disposto a debater sobre relações internacionais com os dois candidatos à presidência, Barack Obama e John McCain, ao vivo e diante das câmeras para toda a imprensa internacional. Xeque-mate.

*

Como não poderia deixar de ser em se tratando de seu estilo, o presidente iraniano não deixou de fazer uma de suas provocações. Disse que “o Império Americano está chegando ao fim e seus próximos líderes devem limitar sua interferência às fronteiras do país”. E não havia ninguém nas cadeiras destinadas à delegação americana para marcar presença.

*

Levantar-se e sair parece estar se tornando prática, copiada pelos britânicos e franceses. Membros das três delegações deixaram a sala de reunião no meio de um encontro a portas fechadas, ainda na Assembléia Geral da ONU, após o presidente da Líbia comparar a situação humanitária em Gaza aos campos de concentração da 2.ª Guerra Mundial. Provocações qualquer um pode fazer, mas aceitá-las ou não é o que separa o joio do trigo no campo da diplomacia. Na arte das negociações internacionais, como definida a diplomacia no dicionário Oxford e no Aurélio, é preciso “delicadeza e finura, astúcia e habilidade” no trato.

*

A diplomacia é um exercício de “persuasão contínua” para a busca de soluções mutuamente aceitáveis no caso de conflitos de interesses entre sujeitos de direito internacional, como definido em artigo da Universidade de Coimbra.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.