Do tallit ao topless nas areias de Tel Aviv (dia 1)

Do tallit ao topless nas areias de Tel Aviv (dia 1)

adrianacarranca

12 de janeiro de 2011 | 20h27

A maior preocupação de um jornalista quando desembarca em Israel não é a iminência de um novo conflito na região, mas um simples carimbo. Na imigração, eu tive de pedir, constrangida, para que o visto fosse estampado em um papel à parte. Ter o carimbo de Israel no passaporte significa não entrar na maioria dos países islâmicos – o que, para um repórter que cobre o Oriente Médio, significaria fim de carreira. O contrário não se aplica, necessariamente, mas a dificuldade de entrar em Israel com letrinhas árabes estampadas no passaporte também é maior. Como eu acabara de renovar meus documentos, tinha apenas o visto do Mexico e desembarquei sem percalços em Tel Aviv.

Um painel luminoso na saída do Aeroporto Internacional Ben Gurion convida o visitante a conhecer o templo baha’í – religião que surgiu na antiga Pérsia e hoje é perseguida no Irã – na cidade israelense de Haifa. As placas com informação de trânsito estão em hebraico, árabe e inglês. A impressão inicial é a de ter desembarcado em um local cosmopolita. O motorista de táxi é tão mal humorado quanto os de qualquer cidade grande e moderna no mundo. E Tel Aviv é uma cidade moderna.

Com os atentados terroristas afastados pelo aumento da segurança – o que inclui os controversos muros de concreto que separam a Cisjordânia de Jerusalém e o bloqueio à Faixa de Gaza -, ‘telavivians’ vivem dias tranquilos, desde o último ataque terrorista, em 2006, que matou 11 pessoas na calçada de uma lanchonete.

Menos religiosa do que Jerusalém, Tel Aviv tem o típico ambiente relaxado das cidades litorâneas e uma Parada Gay que já causou muita confusão com os ortodoxos em vigília. Para evitar conflitos desnecessários, eles têm até uma praia particular. A área é protegida por muros altos, que avançam até o mar, e vigiada por seguranças em duas torres.

Os ortodoxos não permitem praias mistas. Às segundas, quartas e sextas, a praia é reservada aos homens, que deixam para trás a roupa negra, o quipá e o tallit das rezas para tomar sol. Aos domingos, terças e quintas, é a vez das mulheres. Aos sábados os portões ficam fechados para o shabat, dia de descanso no judaísmo – o equivalente ao domingo cristão.

Assim a tranquilidade reinava sob o sol até que jovens não-ortodoxas descobriram na única praia fechada de Tel Aviv um refúgio para fazer topless em paz. As religiosas não gostaram nada disso e reivindicavam sua parte no latifúndio da areias escaldantes do Mediterrâneo Oriental.

Já fora dos muros que cercam a área, há uma praia gay, outra só para famílias com filhos e a seguinte destinada a casais sem crianças. Os cães também têm um lugar ao sol, previamente denifido; nas demais áreas, totós estão proibidos.

É a geografia politicamente correta das areias de Tel Aviv.

Nas ruas, casais passeiam de lambreta (sim, elas voltaram!), meninas caminham de minissaia no calçadão da orla, os cafés à beira-mar estão lotados de jovens tomando cerveja Goldstar. Não fosse pelos narguilés nas mesas, por um minuto eu poderia imaginar estar no Rio.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.