Estrangeiros aprendem sobre sustentabilidade com índios brasileiros

Estrangeiros aprendem sobre sustentabilidade com índios brasileiros

adrianacarranca

17 de setembro de 2008 | 13h15


Na foto, índio da etnia da Rikbaksta. Valter Campanato/Agência Brasil

Por Isabela Souza*, de Londres

Nesta semana, seis organizações brasileiras recebem a visita de um grupo internacional do Banco HSBC que quer aprender como sustentabilidade acontece na prática. Projetos como o de conservação da biodiversidade e uso sustentável da Amazônia, onde índios da etnia Rikbaksta produzem jóias e artesanato com produtos da floresta, como sementes e cascas de coco entrelaçadas por cipós, são exemplos vivos de que é possível gerar renda e proteger o meio ambiente ao mesmo tempo.

Com toda a sua diversidade de povos, culturas e recursos naturais, o Brasil é o destino perfeito para o Next Generation Development Programme (NGDP), o programa de desenvolvimento de lideranças do Banco. Em uma economia globalizada, as interconexões entre crescimento econômico, proteção ambiental e desenvolvimento social estão cada vez mais complexas. Por isso, o grupo internacional vem ao Brasil. Além de conhecer uma realidade bem diferente, os 75 participantes têm que trabalhar duro e são cobrados a produzir resultados concretos para as comunidades visitadas.

Os brasileiros são sempre tão simpáticos, receptivos e criativos, que a semana vira um marco na vida dos participantes – todos voltam para seus países com a mente mais aberta. Os exemplos que eles conhecem no Brasil, faz com que percebam que, com criatividade e vontade, é possível criar soluções positivas para a sociedade, com geração de renda sem danificar o meio ambiente. Em turmas anteriores, os participantes ficaram tão sensibilizados com os projetos visitados que chegaram até a fazer doações financeiras pessoais. Afinal de contas, não é todo dia que a se tem a oportunidade de conhecer gente que faz.

* Isabela Souza, além de grande amiga, é engenheira especializada em meio ambiente e desenvolvimento. Atualmente, mora em Londres onde é gerente de novos negócios na ONG LEAD International, responsável pela implementação do NGDP em parceria com a Associação Brasileira para o Desenvolvimento de lideranças (ABDL) e a consultoria Future Considerations. Ela também dá aulas para turmas de mestrado e graduação no Birkbeck College, da Universidade de Londres. Isabela tem orgulho de ser brasileira e sente muito prazer em dividir histórias de sucesso como a do NGDP.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.