Haiti: o Afeganistão caribenho

Haiti: o Afeganistão caribenho

adrianacarranca

19 de janeiro de 2010 | 15h07

EFE/Orlando Barría

Um terremoto da magnitude do que atingiu o Haiti, na semana passada, seria suficiente para causar uma tragédia, mas, talvez, não nas proporções com que se viu no país caribenho. A infraestrutura já precária, as contruções inseguras, a falta de capacidade para lidar com emergências, a vulnerabilidade política e social, a pobreza generalizada, tudo iddo contribuiu em muito para aumentar o número de mortos.

Médicos que trabalham no atendimento às vítimas já temem que doenças se espalhem entre a população que antes de qualquer desastre já era atingida por níveis epidêmicos de Aids, tubercoluose e malária. As pessoas desnutridas, feridas, desabrigadas e as más condições de saneamento e higiene atuais podem criar o ambiente adequado para “o maior desastre médico de todos os tempos”, informou hoje Maggie Fox, editora de saúde e ciência da Reuters.

É incrível o que estamos vendo no Haiti em termos de mobilização de recursos financeiros e humanos. Pena que tenham surgido apenas agora. O Haiti há muito precisa de ajuda efetiva, assim como os tantos países miseráveis da África e Ásia.

EFE/Orlando Barría

E o temor é de que o Haiti se transforme realmente em um Afeganistão, onde a ajuda humanitária já chegou há sete anos. E ainda é insuficiente, ineficiente e assistencialista.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.