Na volta às aulas, Haiti não tem escolas nem professores suficientes

Na volta às aulas, Haiti não tem escolas nem professores suficientes

adrianacarranca

06 de abril de 2010 | 01h33

Hai_escolinha_reduz

Na semana passada, quando eu ainda estava no Haiti, as escolas continuavam paradas. Mesmo as que ficaram de pé depois do terremoto de 12 de janeiro foram interditadas pelo governo, por suspeita de terem suas estruturas comprometidas. A expectativa era de que, com a ajuda internacional, as escolas fossem substituidas por tendas para receber as crianças. Mas, hoje, no dia oficial marcado pelo governo haitiano para a volta às aulas, pouquíssimas escolas reabriram as portas. Basicamente, apenas 20% delas devem voltar a funcionar nos próximos dois meses, com o apoio do UNICEF e outras ONGs. Além da infraestrutura, destruída pelo tremor, faltam professores. Acredita-se que mais de 500 deles, do ensino básico e fundamental, tenham morrido na tragédia.

As informações foram confirmadas por uma amiga, consultora da ONU na área, que está atualmente em Porto Príncipe.

Na foto, crianças acolhidas por uma instituição franciscana recebem de militares brasileiros doações de material escolar enviadas do Brasil para o Haiti.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.