O que diz o Islã sobre a pena de morte por apedrejamento e o caso Sakineh

adrianacarranca

15 de agosto de 2010 | 11h12

Vejam abaixo o que diz o site webislam, indicado pelo leitor Jakob Ibrahim, sobre o caso Sakineh. Muito interessante. Obrigada pela colaboração, sr. Ibrahim!

“Lapidação é uma prática que não aparece no Alcorão ou justifica-se pelo exemplo do Profeta, já que ele mostrou sua desaprovação. Apesar disso, foi incluída nos códigos de jurisprudência medievais. A lógica que norteou os juristas daquele tempo é de equiparar o pecado com o crime. Ainda assim, a sentença de apedrejamento estava sujeita a restrições que a tornava quase impossível de implementar.

No Islã, não se pode tomar a lei nas suas próprias mãos. (…) O Alcorão nos impele a aceitar o arrependimento: “Se arrependam e se corrijam, deixai-os” (Alcorão 04:15 -16). (…) O sentimento da maioria dos muçulmanos é de que “Deus tem misericórdia como direito prescrito” (Alcorão 6: 12).

Isso faz com que uma condenação como esta, cruel por si só, seja algo incompreensível. Infelizmente, nada disto corresponde ao modelo autoritário imposto pelos clérigos iranianos, que usa o Islã como programa político de controle social. Esse modelo da religião repressora mal disfarçada serve aos interesses econômicos da classe dominante, que se esconde atrás do Islã para preservar seus privilégios.

No Irã, não estão aplicando a sharia, até mesmo nenhum dos tratados importantes da jurisprudência islâmica na história. Pelo contrário, o Islã está sendo desviado para justificar a tirania dos clérigos reacionários, que se dão o direito de discernir entre o certo e o errado, considerando a massa de muçulmanos como os menores, incapazes de decidir livremente seu futuro.

Dito isso, pedimos aos responsáveis da República Islâmica do Irã, para retirar a sentença de apedrejamento imposta a Sakineh Mohammadi Ashtiani, e revogar essa lei, que só pode ser considerada como uma anomalia e uma traição aos valores mais básicos do Islã.”

***

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: