Quem é o humanitário da década? Vote!

adrianacarranca

08 de dezembro de 2009 | 19h53

Caro leitor, abrimos uma votação para que você indicar o nome de quem, na sua opinião, mas contibuiu para a melhoria da condição humana na última década. Vote aqui no Humanitário da Década!

Por definição, humanitário é aquele que se interessa pela melhoria da condição humana. Desses, quero crer, há milhares entre nós. Na prática, para ter tal título, não basta ter interesse, mas trabalhar por isso. O que implica, muitas vezes, em abrir mão dos próprios interesses e de questões individuais em favor de um objetivo comum, do coletivo, de algo que beneficie a todos. É aí que a lista se encolhe.

Vivemos a era do individualismo, do carro frequentemente ocupado somente pelo motorista, dos prédios com cinco garagens para guardar o automóvel blindado de cada integrante da família, que já não se reúne; de vizinhos desconhecidos, de filhos criados por babás, de vovós esticadas e ‘botocudas’ graças a promessas de juventude express (gente, eu tenho saudade do cabelo branco e das rugas de uma vida bem vivida das antigas vovós!).

Vivemos a desconfiança mútua, de tudo e de todos. São tempos de vidro fechado, de porta trancada, de muros altos, de cerca elétrica, de criança que não brinca mais na rua, de jardins e canteiros protegidos por grades para o bem dos motoristas e moradores que olham de longe o verde passar pela janela e acham lindo, da beleza artificial acima do bem viver.

Vejam vocês que dia desses eu estive em uma nutróloga, porque ando me alimentando muito mal, e ocorreu à doutora, esticadinha que só, me dar uma dica de método natural contra o envelhecimento: não sorrir, nem chorar, nem emburrar ou tampouco se emocionar, mantendo sempre o mesmo semblante. Socorro! Se rir dá rugas, eu quero morrer parecendo uma casca de maracujá!

Enfim, o leitor deve estar se perguntando o que é que tudo isso tem a ver com o humanitário da década. A resposta é: tem tudo. Porque ser humanitário começa em participar da vida coletiva em família, no condomínio, nas reunião da associação do bairro, nas gentilezas praticadas no caminho de casa para o trabalho, no olhar para o lado e enxergar o outro, na confiança e importância do seu voto, em gastar uns minutinhos para verificar, afinal, o que anda aprontando o seu vereador, em se interessar pela vizinhança, em contribuir com uma cidade, um estado, um país melhor e daí virá um mundo melhor.

Assim, os nomes votados aqui devem servir não para criar heróis, mas para que sejam uma inspiração para o meu e o seu dia a dia. Porque a melhoria da condição humana começa com a gente!

Abraços,
Adriana

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.