Adeus, Knut

Afra Balazina

21 de março de 2011 | 12h22

Mosaico com fotos do Knut (Arnd Wiegmann/Reuters/Files)

Foto tirada no dia do aniversário de 4 anos de Knut, em 5 de dezembro de 2010 (John Macdougall/AFP)
Olha a fofura do Knut! (Hannibal Hanschke/Reuters)
Foto de Knut quando bebê (Tobias Schwarz/Reuters)

Fiquei muito triste com a notícia da morte do urso-polar Knut no zoo de Berlim, na Alemanha. Ele foi encontrado boiando na piscina e as causas da morte ainda não são conhecidas. Ele tinha apenas 4 anos – os animais da espécie vivem em média entre 15 e 18 anos!

Quem não se lembra das imagens fofas de quando ele era pequeno? Havia sido abandonado pela mãe e passou a receber os cuidados do seu tratador, Thomas Doerflein, para sobreviver. Virou uma celebridade e era a figura mais importante do zoológico – o mais procurado pelos visitantes.

Mas sua vida não foi fácil!  Logo de cara foi abandonado pela mãe e especialistas chegaram a aconselhar seu sacrifício, mas o clamor popular fez com que ele permanecesse vivo. 

Em junho do ano passado, um integrante da ONG de Direitos dos Animais Peta disse que ele sofria ataques de pânico e tinha problemas psicológicos. A convivência com outras ursas no recinto também não era boa. Em outubro do ano passado foi divulgado que ele sofria bullying no cativeiro. Ele dividia o espaço com Tosca (sua mãe), Nancy e Katyuscha. As ursas eram agressivas com ele, obrigando-o a ficar acuado em um canto.

Knut foi o primeiro urso polar a nascer no Zoológico de Berlim em 30 anos. Mas a tentativa de acasalamento entre ele e a ursa Giana fracassou – e ela havia retornado recentemente para o zoo de Munique, também na Alemanha.

O zoólogo alemão Peter Arras afirmou em 2008 que o famoso urso tinha um “comportamento psicopata” e que provavelmente nunca se acasalaria. Ele dizia que, por ter sido criado por humanos, não aprendeu com sua mãe qual é o cheiro de uma fêmea e, por isso, “não vai saber o que fazer quando for colocado com uma ursa”.

Seu primeiro tratador, Dorflein, morreu em setembro de 2008, aos 44 anos.

Vamos acompanhar o resultado da autópsia de Knut para ver o que provocou sua morte!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.