Mineração e montanhismo

Afra Balazina

16 de março de 2011 | 19h46

Silverio Nery no cume do Capacete, em Salinas, no Rio (arquivo pessoal)

Silverio Nery durante trekking na Cordilheira Huayuash, Peru (arquivo pessoal)

Quem pratica alpinismo ou montanhismo – seja por hobby ou profissão, como guia – enfrenta cada vez mais dificuldades. As mudanças climáticas têm tornado as escaladas mais arriscadas. Alpinistas com quem conversei na semana passada me contaram casos concretos em que o gelo derreteu e deu lugar a uma rocha podre, que esfarela.

O alpinista Rodrigo Raineri, com 41 anos de idade e 20 anos de escaladas, relata alterações graves na montanha do Condoriri, na Bolívia, e no Aconcágua, na Argentina. A matéria completa pode ser lida aqui:http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110313/not_imp691243,0.php

Mas Silverio Nery, de 54 anos, presidente da Confederação Brasileira de Montanhismo e Escalada (CBME), lembra outro problema mais comum no Brasil: a destruição das montanhas pela mineração. A maior preocupação, segundo ele, é com a região de Minas Gerais. “Há licenças para lavras em locais onde muitas vezes nem tivemos tempo de escalar”, conta.

Vamos ficar de olho!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.