Quando ninguém fala…

Afra Balazina

02 de dezembro de 2011 | 08h52

O embaixador André Corrêa do Lago (à direita) (Afra Balazina/AE)

Ontem o dia por aqui foi cheio de reuniões a portas fechadas, para quem estava cobrindo isso é um terror, porque fica difícil saber o que realmente está acontecendo.

E quase nenhum país deu entrevista coletiva. Mas o Brasil tem feito isso todos os dias, sempre às 18h daqui de Durban, e ontem a chamada press conference do Brasil foi bastante procurada pelos jornalistas estrangeiros ávidos por alguma novidade.

O embaixador André Corrêa do Lago responde a perguntas em inglês. Depois, quando acaba a coletiva, ele conversa com os repórteres brasileiros por mais um tempo.

O fato de ninguém falar não significa que nada esteja acontecendo ou que não haja avanços. Por hora, parece que realmente a China está se mostrando propensa a aceitar metas obrigatórias de cortar as emissões de gases-estufa a partir de 2020. Esse passo é muito importante e obriga os EUA a também fazer alguma coisa.

Hoje, China é o maior emissor de gases-estufa, mas os EUA ainda são os maiores emissores históricos.

Vejam a reportagem sobre os impasses e chances de sucesso da COP-17 aqui:

http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,avanca-chance-para-acordo-na-cop-17,805074,0.htm

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.