Sem dormir

Afra Balazina

13 de dezembro de 2010 | 19h30

Pessoas dormem no chão durante a plenária final da COP-16

Já é tradição não dormir na última noite das COPs. A reunião nunca termina no horário combinado e geralmente invade a madrugada. Dessa vez, não foi diferente. Foi tão cansativo que até a presidente da conferência, Patricia Espinosa, deixou o final da plenária (já na parte mais burocrática) com o vice-presidente e foi dormir. Não chegou sequer a falar com a imprensa, como é comum ao final das COPs.

Nem Christiana Figueres, a secretária executiva da Convenção do Clima da ONU (UNFCCC), concedeu entrevista à imprensa após a conclusão. O presidente resolveu aparecer no meio da madrugada, às 3h30, e fez um discurso gigantesco para elogiar os delegados e países por terem chegado a um acordo.

Pudemos ouvir ainda, por exemplo, o chefe da delegação americana, Todd Stern, e a da União Europeia, Connie Hedeggard, por volta das 5 ou 6 horas da manhã. Quando terminei minha história, já era 7h30 da manhã. Aí, fui direto tomar café e voltei para o quarto caminhando pela praia, com o sol ainda sem esquentar.

Mas a adrenalina estava alta demais para eu conseguir dormir…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.