… E a Europa vai contra-atacar
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

… E a Europa vai contra-atacar

andreinetto

17 de março de 2010 | 09h10

Manuel Barroso em recente entrevista. Implantar as mudanças é com ele

Manuel Barroso em recente entrevista. Implantar as mudanças é com ele

Escrevi logo abaixo que o euro não vai acabar. E não vai mesmo. Você pode ficar boquiaberto, como eu, ao observar todas as idas e vindas, todas as polêmicas internas, o jogo de declarações contraditórias entre autoridades da União Europeia, quando questionadas sobre a ajuda financeira à Grécia.

Você com certeza já entendeu que a Alemanha, ou melhor, o contribuinte alemão, não quer saber de pagar a conta pelo laxismo dos mediterrâneos. E eles têm lá suas razões. Mas a verdade nua e crua é que, se tiver de pagar a conta para salvar o euro, eles a pagarão. Não serão € 20 bilhões ou € 30 bilhões que derrubarão um projeto multinacional com 60 anos de vida.

Dito isso, vamos ao mais importante: mais do que um plano de socorro, o que está sendo planejado hoje na Europa é um contra-ataque. Os governos europeus estão em atrito com o mercado financeiro, a quem culpam pela situação tensa na Grécia. Para as principais autoridades do bloco, como o presidente da França, Nicolas Sarkozy, e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, a crise foi causada por um ataque especulativo puro e simples.

A resposta vem agora: de uma só vez estão em análise, nos bastidores de Bruxelas, a criação do Fundo Monetário Europeu (FME), para socorrer países em dificuldades; de um Tesouro Comum Europeu, órgão que emitiria os novos títulos de dívidas no bloco; da Agência Europeia de Notações, que visa a roubar importância das avaliações feitas pela Moody’s, Fitch Ratings e Standard & Poor’s; e, finalmente, a criação de novos mecanismos de regulação dos Credit Default Swaps (CDS), os famosos derivativos que teriam acobertado o tamanho da dívida grega, em um primeiro momento, e que teriam sido usados pelo mercado financeiro para apostar contra o país, em um segundo.

Como na União Europeia tudo é lento e muito discutido, você pode contar que a implantação de todos esses mecanismos vai levar algum tempo. Mas o contra-ataque ao mercado, meu caro, já começou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.