“Dios” fica sem “vox populi”: maioria dos argentinos não deseja retorno de ‘Dios’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

“Dios” fica sem “vox populi”: maioria dos argentinos não deseja retorno de ‘Dios’

arielpalacios

24 de setembro de 2010 | 22h59

Paródia finlandesa da “Criação de Adão” de Michelangelo Buonarroti mostra uma alterada Mão de Deus capelasistiniana como a Mão do ‘Diez’, isto é, D.A.Maradona (ex-técnico e ex-jogador). Ilustração acima mostra o irônico grafite estampado em uma parede da capital finlandesa, Helsinqui. Mas, desta vez não é “Vox populi, vox Dei”, pois torcida argentina está ateia e rechaça vontade de “Dios” ressuscitar e comandar novamente a seleção. No entanto, Maradona diz que pretende voltar. E que voltará com a ajuda dos Kirchners.

OPERAÇÃO RETORNO – Diego Armando Maradona, outrora chamado de “Dios” (Deus) pela torcida argentina, depara-se atualmente com um cenário de ateísmo futebolístico alastrado em seu país. Nesta sexta-feira, em entrevista ao canal Fox Sports, candidatou-se ao cargo de técnico da seleção de futebol argentina. Mas, as pesquisas realizadas pouco depois da notícia aparecer, indicaram que os argentinos rejeitam o retorno de “Dios”.

Maradona declarou que está “desesperado” e “com muita vontade” de retornar ao posto de técnico da seleção, onde esteve ao longo de 637 dias entre novembro de 2008 e julho de 2010. “Daria minha vida para voltar ao cargo de técnico”, disse.

Quando partiu, em julho passado, disparou uma saraivada de críticas contra Julio Grondona, presidente da Associação de Futebol da Argentina (AFA), que havia rejeitado a permanência de boa parte dos assessores de Maradona. Na ocasião, o ex-técnico chamou Grondona de “traidor” entre vários outros adjetivos (Grondona é o comandante da AFA desde 1978, tempos da ditadura militar; o cartola há dois anos transformou-se em um firme aliado do casal Kirchner).

Um dos motivos principais para a não renovação do contrato de Maradona foi sua determinação em manter todo seu time de assessores. Na ocasião, o ex-astro disse que seria fiel a seus colegas e não permitira a demissão de nenhum deles (seus contratos não foram renovados, junto com a não renovação de Maradona).

Mas, nesta sexta-feira, “El Diez” indicou que poderia voltar ao cargo de técnico sem seus colaboradores. “Isso é algo sobre o qual podemos conversar”, disse o ex-técnico.

Com um tom inesperado, Maradona tentou colocar panos quentes nos entreveros que manteve com o presidente da AFA e afirmou que sabia que “o projeto não existe sem Grondona. Mas o patrão (Grondona) tem que falar comigo… se ele fala comigo, a gente soluciona isso”.

Na semana passada Maradona teve um encontro com a presidente Cristina Kirchner e o ex-presidente Néstor Kirchner na residência de Olivos que rendeu especulações sobre manobras do governo para recolocar “El Pibe de Oro” (O Garoto de Ouro) no cargo. Depois de dias em silêncio Maradona confirmou a intenção dos Kirchners de ver o ex-jogador novamente no posto. “Kirchner disse que estava zangado com a decisão de não me renovar como técnico”, disse Maradona categórico. “Néstor e Cristina foram bem clarinhos nisso”, afirmou.

 

Presidente Cristina Kirchner (da República) e presidente Julio Grondona (da AFA) . Kirchners querem Maradona de volta. Maradona diz que topa conversar com Grondona, a quem haviam chamado de ‘traidor’ há dois meses. A AFA de Grondona, coincidentemente, recebeu verbas extras do governo federal nesta semana.

 ALTERNATIVAS PARA MARADONA – O governo, nas últimas semanas, expressou em diversas ocasiões que desejava que Maradona estivesse no cargo de técnico da seleção durante a Copa América, que será realizada no ano que vem na Argentina. Além disso, circularam rumores provenientes do entourage presidencial que indicavam que os Kirchners planejavam colocar Maradona como Secretário dos Esportes, caso não fosse viável seu retorno ao posto de técnico. Diversos setores do governo sonham em colocar Maradona na lista de deputados federais nas eleições parlamentares e presidenciais do ano que vem.

 PESQUISAS – No entanto, as pesquisas indicam que os argentinos não querem que “Dios” volte a comandar a seleção.

No conservador “La Nación”, os internautas responderam de forma negativa à pesquisa que fazia a pergunta “Diego se desespera por voltar à seleção. Você gostaria que ele volte?”. Na noite desta sexta-feira 5,68% dos internautas diziam que “sim”, queriam Maradona novamente como técnico. Mas, uma avassaladora proporção de 94,32% deixou claro que “não” deseja sua volta.

O jornal “Infobae”, de simpatias governistas e que evitar criticar Maradona, mostrou que os leitores não desejam que o desejo de “El Diez” e dos Kirchners se concretize. À pergunta: “você quer que D.Maradona volte a ser o técnico da seleção nacional?”, 12,04% dos internautas responderam “sim”. Mas, 87,96% indicaram que “não” querem Maradona no cargo outra vez.

No jornal esportivo “Olé” a rejeição a Maradona era um pouco menor que em outras pesquisas. No entanto, exibia uma categórica negativa à hipotética volta de “El Diez” ao posto. Somente 21% apoiavam o retorno de Maradona. Outros 79% eram contra sua volta.

COMO TÉCNICO, REJEIÇÃO CONSTANTE – Maradona – ídolo futebolístico nos anos 80 e nos 90 – ostentou uma constante rejeição como técnico desde que foi designado para o posto por Grondona.

Em 2008, quando tomou posse, 65% dos torcedores não queriam Maradona de forma alguma no comando da seleção. Em novembro de 2009 as pesquisas indicavam que apesar de conseguir de forma suada a classificação para a Copa, 85% dos torcedores exigiam sua remoção. Após a eliminação da Argentina da Copa, 70% exigiam sua retirada.

Camisetas com pensamentos de Maradona foram vendidas na web

MARADONA TÉCNICO – Breve antologia de frases pronunciadas durante os 637 dias da Era Maradona

“O que busco em meus colaboradores é a lealdade total e que sigam as ordens da mente absoluta, que sou eu” (ao tomar posse como técnico, em novembro de 2008)

“Que vocês me c… !” (quando, em novembro passado, convidou os jornalistas a praticar sexo oral nele próprio, depois de derrotar o Uruguai e conseguir uma suada classificação da seleção argentina).

“E que vocês continuem me mamando!” (reiteração do convite para o sexo oral, meia hora após a primeira proposta)

“Não estou levando muitas coisas na mala…é que a coisa mais importante é aquela que vou trazer da África do Sul” (antes de partir para a Copa, confiante de que voltaria à Buenos Aires com a taça da FIFA).

– “O time é este aqui. Não há motivos para mexer nele!” (categórico, rejeitando sugestões, poucas horas antes de enfrentar a Alemanha nas quartas de final)

“Se mexerem no cara do almoxarifado, vou embora da seleção” (em julho, quando indicou que só ficaria no cargo de técnico se todos os homens de sua equipe permanecessem em seus respectivos lugares).

Falando em “Dios”, cá está uma reprodução do original de M.Buonarrotti.

blogerasmus-adagia-paulus-manutius-1575 blogerasmus-adagia-paulus-manutius-1575 blogerasmus-adagia-paulus-manutius-1575

hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra ).

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão:

……………………………………………………………………………………………………
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral ou partidária também será eliminada dos comentários. Os comentários que não tiverem qualquer relação com o conteúdo da postagem serão eliminados. Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).

…………………………………………………………………………………………………..

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.