Palácio de La Moneda-Casa da Moeda: A troca de projetos que nunca ocorreu
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Palácio de La Moneda-Casa da Moeda: A troca de projetos que nunca ocorreu

arielpalacios

25 de dezembro de 2009 | 23h30

moneda1
O Palácio de La Moneda, Santiago Chile. Construído para ser uma casa da moeda, foi primeiro casa da moeda, depois foi simultaneamente palácio presidencial e casa da moeda…até finalmente ser exclusivamente palácio presidencial

De presente de Natal para os leitores comentaristas hoje e nos próximos dias teremos uma série de postagens que estavam prometidas há meses para algumas pessoas (depois continuaremos com a sequência dos “suicidados” sui generis).
Martha Argel, que queria saber se a Casa da Moeda do Rio de Janeiro e o Palácio de La Moneda no Chile eram planos “trocados”; Laerte Carmelo, que desejava uma postagem sobre os santos populares argentinos; o Mané, que estava curioso sobre os risonhos sóis das bandeiras da Argentina e do Uruguai.
Hoje começaremos pela lenda da troca de projetos da Casa da Moeda e o Palácio de La Moneda.

moeda1
A antiga Casa da Moeda, na ex-imperial Rio de Janeiro. Foi a casa da moeda praticamente durante toda sua existência. Agora é o Arquivo Nacional. Nunca foi pensada para ser palácio presidencial ou imperial. Nem no Rio de Janeiro, muito menos na distante Santiago do Chile

A INEXISTENTE CONEXÃO SANTIAGO-RIO
indicandos Entre Santiago do Chile e o Rio de Janeiro aparece ocasionalmente a versão de que o Palácio de La Moneda – o palácio presidencial chileno – na verdade teria que ser a Casa da Moeda – o atual Arquivo Nacional – do Rio de Janeiro. E que a Casa da Moeda da ex-capital brasileira seria o palácio presidencial do Chile.

A lenda é saborosa e indica que os projetos de um edifício e do outro, supostamente importados da Europa (algumas versões indicam que os projetos vinham da Inglaterra), teriam sido trocados no navio que descia da Europa rumo à América do Sul.

Segundo a lenda, os rolos de papel com os detalhes do palácio presidencial chileno, por confusão, teriam desembarcado no Rio de Janeiro.

…E os planos destinados à construção da Casa da Moeda do imperial Rio dos Habaurgos e Bragança teriam virado pelo Cabo Horn, desembarcado em Valparaíso e finalmente levados até Santiago do Chile.

Mas, a lenda – apesar de divertida – não tem justificativas, já que os dois prédios são de épocas totalmente diferentes. A realidade, infelizmente, foi bem mais prosaica.
Os planos não foram encomendados à Europa. Foram feitos aqui mesmo na América do Sul (se bem que no caso do Chile, o arquiteto era um italiano que passou o resto de sua vida em Santiago e havia chegado anos antes para outras obras na cidade).

As obras do prédio do chileno Palácio de La Moneda começaram em 1786…enquanto que a ordem para construção do novo prédio (o tal da lenda) da Casa da Moeda no Rio de Janeiro é de 1853. As obras deste prédio carioca concluíram em 1868.

O Palácio de la Moneda foi construído para ser a Casa da Moeda em Santiago, no Chile colonial.

As obras começaram em 1786 e terminaram em 1812 . O projeto é do italiano Gioacchino Toesca (que espanholizou seu nome para Joaquín Todesca). No entanto, ele não fez o projeto à distância. Toesca havia desembarcado em Santiago seis anos antes de iniciar a obra de La Moneda, para concluir a construção da catedral da cidade.

toesca
Gioacchino, aliás, Joaquín; Toesca, aliás, Todesca

A construção do prédio terminou no meio do conjunto de guerras de independência do Chile e dos outros países da região. Nesse prédio, em 1814 foram cunhadas as primeiras moedas do Chile independente.

Em 1845 a imensa construção começou a ser utilizada também como sede do governo da República e residência dos presidentes chilenos (antes disso, desde 1817, a sede do governo havia sido o edifício da Real Audiência, na Praça de Armas de Santiago, hoje transformada no Museu Histórico Nacional).

A Casa da Moeda funcionou – junto com os escritórios presidenciais – no Palácio de La Moneda até 1924. Isto é, durante quase um século foi simultaneamente palácio presidencial e casa da moeda chilena.
Nesse ano a função de cunhar moedas passou para outro edifício. E o Palácio de La Moneda ficou somente como palácio presidencial.

monedbombardeo
O La Moneda sob bombardeio em pleno centro de Santiago, em 1973

Em 1973 o Palácio de La Moneda foi bombardeado pelas forças do general (e depois do golpe, ditador também) Augusto Pinochet. Os foguetes lançados pelos aviões Hawker Hunter e os canhões do Exército destruíram grande parte do palácio e destruíram obras de arte, além da ata da independência chilena, documento que foi destruído pelas bombas de Pinochet.

O estilo do palácio em Santiago é o neoclássico italiano puro.

O prédio da Casa da Moeda no Rio de Janeiro – situada na antiga Praça de Aclamação, atual Praça de República – é obra dos engenheiros Teodoro de Oliveira (geralmente o mais citado) e Antonio Francisco Guimarães Pinheiro (quase sempre esquecido).

Seu estilo é um neoclássico adaptado ao Brasil…um estilo denominado de “Imperial Brasileiro”.

moedq1866
A antiga Casa da Moeda no Rio. Nunca esteve pensada para ser construída do outro lado da Cordilheira dos Andes

A Casa da Moeda esteve nesse palacete até 1983, ano em que foi removida para o Parque Industrial Santa Cruz. Hoje é a sede do Arquivo Nacional.

O prédio no Rio parecia mais palácio presidencial do que o Palácio de La Moneda em Santiago. Este tem mais physique du rôle de uma grande caixa de sapatos (uma excelente caixa de sapatos, segundo opinião de vários chilenos conhecidos) do que de qualquer outra coisa. Isso, evidentemente, alimentou a lenda da troca de projetos entre o Rio de Janeiro e Santiago do Chile.

De quebra, o edifício carioca possui colunas dóricas no andar de baixo e jônicas no andar de cima. E, além disso, uma imponente escadaria.

O edifício parecia mais imponente ainda quando o bairro estava vazio no final do século XIX, então chamado Campo de Santana.

vinhetas54f

………………………………………………………….

Comentários racistas, chauvinistas, sexistas ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados.
Tampouco serão publicados ataques pessoais entre leitores nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes.
Além disso, não publicaremos palavras ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.