Canis lupus familiaris e seus viscerais depoimentos em ruas portenhas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Canis lupus familiaris e seus viscerais depoimentos em ruas portenhas

arielpalacios

12 de outubro de 2009 | 22h03

vaneick
Cão belga, acompanhado por seus colegas Homo sapiens: o toscano Giovanni di Nicolao Arnolfini e sua esposa Contanza. Na época dejetos dos caninos e humanos eram deixados nas ruas do fedorento – mas supimpa – Renascimento. Quadro de Jan Van Eyck, 1434. Atualmente na National Gallery, em Londres

vaneick2

A cidade de Buenos Aires conta com 425 mil perros (cachorros). O número equivale a um cachorro a cada sete portenhos humanos.
A capital argentina é uma cidade substancialmente “perrera”, como dizem os portenhos, isto é, uma urbe “cachorreira”.
A grande presença de cidadãos caninos em Buenos Aires implica em uma miríade de dejetos provenientes destes melhores amigos do homem.

No total, segundo estatísticas do governo da cidade de Buenos Aires, 70 toneladas de excrementos caninos por dia são depositadas nas ruas portenhas.
Isto é, são 7 mil toneladas de esterco canino em 100 dias.
Esta presença ostensiva de dejetos caninos torna perigosa a caminhada desprevenida pelas ruas de vários bairros de Buenos Aires. Entre os setores mais “bombardeados” estão os da Recoleta, Caballito, Flores e Palermo.

Em 150 dias os portenhos caninos produzem o equivalente a 10.500 toneladas, o equivalente ao peso da torre Eiffel! Ou, similar peso ao de oito germânicos tanques Panzer da Segunda Guerra Mundial por dia.

passeador
Paseadores de perros (passeadores de cães). Figuras tradicionais do cotidiano portenho.

egipcio
Passeadores de cães, de Queóps ao bairro da Recoleta? Representação egípcia do ano 3.000 a.C.

Mas, para fiscalizar os resultados das vísceras caninas espalhados por toda a cidade existem apenas 10 inspetores (uma dezena de fiscais para 425 mil cachorros).
Nos primeiros oito meses deste ano este time conseguiu fazer o registro de mil multas a aplicar (as multas oscilam de 25 pesos a 200 pesos…mas, quase ninguém as paga).

Fazer a multa é complicado, pois o inspetor deve encontrar o cachorro ‘in fraganti’ – isto é, em pleno movimento peristáltico – com o imediato resultado depositado na via pública. De quebra, o fiscal deve provar que o dono do cachorro não pretendia limpar os dejetos recém colocados.

No ano passado o governo municipal instalou grades ao redor das praças e proibiu a entrada de cachorros.

A prefeitura tentou algumas campanhas de conscientização que não deram certo, como a que tinha o slogan: “Su perro, su caca”. O slogan acabou virando motivo de piada.

romando
À direita, o canis lupus familiaris, em mosaico romano

Em alguns bairros, perante a lerdeza da prefeitura portenha para vários assuntos, a ação foi realizada dos próprios moradores, para ter ruas mais limpas.
No bairro de Almagro, os moradores criaram o que denominaram de “área livre de dejetos caninos”.
No bairro de San Telmo organizaram o “Festival No Caca”. O festival consistia em dar um presentinho ao dono de um cachorro que fosse visto limpando os restos na rua. Mas, sem apoio das autoridades, a iniciativa diluiu-se após seis meses de existência.

CÃES E QUINO
TIRINHA:
burocracia
Cachorros. E Mafalda e sua tartaruga, Burocracia (tirinha do cartunista Quino)

FRASE:
“A medio mundo le gustan los perros; y hasta el día de hoy nadie sabe qué quiere decir ‘guau’ “. Metade do mundo gosta de cachorros, mas, até agora ninguém sabe o que quer dizer “au” (De Mafalda).

GUAU!: “Au!”. Latido de um cachorro, em espanhol. O equivalente no idioma de Cervantes ao shakespereano “bark” ou o dantesco “bau”.

Outros idiomas:
•Albanês – ham, ham
•Árabe – hau, hau; how how (هو هو)
•Basco – au-au (genérico), txau-txau (pequenos cães), zaunk-zaunk (cachorros grandes) and jau-jau (cães velhos)
•Chinês (cantonês) – wow, wow (汪汪)
•Chinês (mandarim) – wang, wang
•Esperanto – boj, boj
•Finlandês – hau, hau
•Francês – waouh, wouf, wouaf-waf, e também jappe jappe
•Alemão – wau, wau
•Grego – ghav, ghav (γαβ γαβ)
•Hebraico – hav, hav
•Hindi – bho, bho
•Japonês – wan, wan (ワンワン)
•Coreano – meong, meong (멍멍)
•Russo – gav, gav (гав-гав); tyav, tyav (тяв-тяв, para cachorros pequenos)
•Tailandês – hoang, hoang
•Vietnamita – ẳng ẳng
•Gaélico (para aqueles que apreciam música celta) – wff, wff

carlota
O drama de cachorros binacionais e o portunhol canino: Guau ou Au? Guão!
Canis lupus familiaris em dolce far niente

………………………………………………………….
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados.
Tampouco serão publicados ataques pessoais entre leitores nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes.
Além disso, não publicaremos palavras ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como back ground antropológico).
Todos os comentários devem ter relação com o tema da postagem.
E, acima de tudo, serão cortadas frases de comentaristas que façam apologia do delito.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.