Cortar o bacalhau: o exercício do poder
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cortar o bacalhau: o exercício do poder

arielpalacios

09 de julho de 2010 | 10h06

blogbacalhau1

‘Gadus morhua’, mais conhecido como ‘bacalhau’. A expressão “Cortar el bacalao”, na Argentina, longe da bacalhoada e dos bolinhos do supracitado indica quem manda no pedaço. O cacique, o big boss, o mandachuva.

blog1dedo2bAlgumas expressões e ditados costumeiramente usados na Argentina (alguns, cunhados no próprio país, outras, provenientes da ‘mãe-pátria’ Espanha). 

blog1vinheta55b Cortar el bacalao: Literalmente, “cortar o bacalhau”. Quem corta o bacalhau é quem manda em uma sociedade, em um grupo de pessoas, uma empresa ou uma instituição. Por exemplo: Cristina Kirchner es la presidente… pero quien corta el bacalao es Néstor Kirchner (Cristina Kirchner é a presidente… mas quem corta o bacalhau é Néstor Kirchner).

A origem da expressão: o bacalhau, especialmente entre os imigrantes da Galícia, era um alimento das famílias pobres. E, quem o cortava (isto é, quem dividia as porções exíguas) era o chefe ou chefa da família.

blog1vinheta55b Tener la sartén por el mango: Literalmente, “segurar a frigideira pelo cabo” (“sartén” é frigideira; e “mango”, o cabo. Outra expressão para indicar quem tem o controle de uma situação. A cantora Tita Merello, no tango “Los ejecutivos”, cita a expressão no verso siempre tienen razón / y además tienen la sartén / la sartén por el mango y el mango también”. A última referência a ‘mango’ neste caso, não é o ‘cabo’ da frigideira, mas sim, aos “mangos”, isto é, o dinheiro.

“Los ejecutivos” não está no Youtube. Mas, está “Donde hay un mango”, com Tita Merello. Orquestra de Francisco Canaro. O link, aqui. E o irônico e divertido “Niño bien”, também com Tita Merello. Aqui. 

blogsarten

A ‘sartén’ e o ‘mango’. E a mão de quem a segura.

blog1vinheta55b El mismo perro con distinto collar: Literalmente, ‘o mesmo cão com diferente coleira’. Indica que embora a aparência de algumas coisas mude, a essência delas permanece a mesma. Origem da expressão: o rei espanhol Fernando VII em 1820, rangendo os dentes, teve que jurar a Constituição. Em 1823, deu um autogolpe e reimplantou o absolutismo. Uma das primeiras medidas foi a de dissolver a milícia de Madri, composta por liberais, e criar outra em seu lugar, composta por voluntários realistas, isto é, de simpatizantes do regime absolutista. Mas, quando estava presidindo a parada com a nova milícia, os soldados realistas… eram os mesmos que haviam estado nas fileiras liberais pouco tempo antes. O rei virou-se ao oficial que estava a seu lado, e murmurou: Pues hombre! Esses aí são os mesmos cachorros, embora com diferentes colares!”.

blogsuperhijitusoakypichichus

Falando em “perros”, um dos cães mais famosos da Argentina: Pichichus (carregado por seu dono, Super-Hijitus, que também segura seu amigo Oaky). Os personagens foram criados pelo cartunista García Ferré.

De certa forma, a frase de Fernando VII (rei espanhol que governava nos tempos da independência da Argentina e de outros países sul-americanos) recorda o livro “Il Gattopardo”, do italiano Giuseppe Tomasi di Lampedusa (1896-1957), com a famosa frase “se queremos que tudo continue como está, é preciso que tudo mude” (“Se vogliamo che tutto rimanga come è, bisogna che tutto cambi!”).

Dessa expressão, a ciência política criou o termo “gatopardista” ou “lampedusiano” para referir-se ao político que reforma uma parte das estruturas sociais e de poder para manter o todo sem que nada mude realmente.

blog;il-gattopardo

No filme ‘Il Gattopardo’, Burt Lancaster e Claudia Cardinale dançando a valsa no filme homônimo de Luchino Visconti. A famosa frase do livro teve vários discípulos nos países da América do Sul.

blog1vinheta55b El diablo sabe por diablo, pero más sabe por viejo: Literalmente, “O diabo sabe porque é diabo, mas sabe mais porque é velho”. Serve para referir-se a alguém que pode ser esperto por sua atividade (ou profissão ou ainda, pelas características pessoais), mas mais ainda tem a esperteza pela experiência acumulada ao longo dos anos.

blog1vinheta55b El mundo es un pañuelo: Literalmente, “o mundo é um lenço”. Usada para indicar que o mundo é pequeno, especialmente quando duas pessoas conhecidas se encontram inesperadamente em um lugar. Mafalda, a menina-filósofa do cartunista Quino, em uma tirinha diz, em referência ao estado desse ‘lenço’: “se o mundo é um lenço…será necessário reclamar à lavanderia”.

 blogmafaldavoto

Mafalda, a menina-filósofa criada por Quino

blog1vinheta55b Costar un huevo: Literalmente, “custar um ovo”. Neste caso, é equivalente a “custa o olho da cara”. Mas, “huevo”, que em sua primeira acepção significa ovo (o da galinha), aqui refere-se a outro objeto ovalado, isto é, o testículo. Equivale a ‘excessivamente caro’.

blog1vinheta55b Costar chaucha y palitos: Literalmente, ‘Vagem e galhozinhos’. A expressão é usada para indicar que algo é muito barato. Barato mesmo. A vagem é um vegetal que o gaucho, o habitante dos Pampas (carnívoro, comme il faut) considerava como coisa de pouco valor. E o ‘palito’ refere-se àqueles galhozinhos misturados no meio da erva-mate (o chimarrão era a bebida preferida dos gauchos) que flutuam no meio da água de um chimarrão. Exemplo: “Essa blusa? Ah, custou ‘chaucha y palitos’!”

E mais Mafalda, para encerrar…

blogmafalda_manicomio-redondo

“E Deus terá patenteado a ideia deste manicômio redondo?”

blog1vinheta80b

hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra).

blog1vinhetalendonewsstand3 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão 

Gustavo Chacra (Nova York): http://blogs.estadao.com.br/gustavo-chacra/ 
Patricia Campos Mello (Washington) – http://blogs.estadao.com.br/patricia-campos-mello/ 
Claudia Trevisan (Pequim) – http://blogs.estadao.com.br/claudia-trevisan/ 
Adriana Carranca (Pelo Mundo) – http://blogs.estadao.com.br/adriana-carranca/ 

……………………………………………………………………………………………………
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados.
Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral ou partidária também será eliminada dos comentários.
Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico
).

……………………………………………………………………………………………….. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.