O escândalo dos subornos no Senado: Doze anos depois, o ex-presidente De la Rúa senta no banco dos réus
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O escândalo dos subornos no Senado: Doze anos depois, o ex-presidente De la Rúa senta no banco dos réus

arielpalacios

15 de agosto de 2012 | 10h33

 

Caricaturistas, humoristas e imitadores retratavam De la Rúa com uma de suas principais marcas: a sonolência e lerdeza de seu governo. Esta escultura, feita pelos artistas plásticos Jorge Maculán e Pablo Bach, foi exposta em uma divertida mostra chamada “Reino de Bolonquia” no ano passado em Buenos Aires, que mostrava os diversos presidentes argentinos. A versão de Cristina Kirchner era uma rainha Nefertiti. Menem aparecia como Luis XIV.

O ex-presidente Fernando De la Rúa (1999-2001) sentou ontem, terça-feira, no banco dos réus no Tribunal Oral Federal Número 3 pela acusação de ter pago subornos a um grupo de pelo menos seis senadores do Partido Justicialista (Peronista) no ano 2000 para conseguir a aprovação da lei de reforma trabalhista. De la Rúa teria pago US$ 5 milhões para aprovar a reforma, exigida pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). A presidente Cristina Kirchner, que na época do escândalo era senadora – e votou contra a lei de De la Rúa – foi convocada para prestar depoimento. No entanto, enviaria suas declarações por escrito ao tribunal. Além dela, outras 338 testemunhas também foram convocadas pela Justiça.

Também sentaram no banco dos réus o ex-diretor da Secretaria de Inteligência do Estado (Side), Fernando de Santibáñes, o ex-ministro do Trabalho Alberto Flamarique, o ex-pró-secretário parlamentar Mario Pontaquarto. Outros seis senadores estavam indiciados. Mas, somente participaram quatro, já que um deles não comparecerá por sofrer de Alzheimer, enquanto que outro – José Genoud – estará inexoravelmente ausente: suicidou-se há quatro anos com um tiro no coração.

Outro senador ficou misteriosamente “esquecido” e fora deste julgamento: o peronista José Luis Gioja, atual governador da província de San Juan.

Do total dos US$ 5 milhões, US$ 4,3 milhões teriam sido distribuídos aos senadores peronistas. Os restantes US$ 700 mil foram divididos entre Genoud e Flamarique.

Ontem, o ex-presidente, por intermédio de seus advogados, afirmou que Pontaquarto não passa de um “mitômano” e que as acusações que enfrenta são “absurdas e cheias de contradições”. Pontaquarto retrucou: “as mentiras de De la Rúa foram uma constante neste tempo todo”.

De la Rúa transforma-se no segundo presidente civil argentino a ser julgado por corrupção. O primeiro foi Carlos Menem (1989-99), acusado de liderar uma quadrilha que realizou o contrabando de armas para a Croácia e o Equador entre 1991 e 1994. Menem, que há três anos tornou-se aliado da presidente Cristina Kirchner, foi inesperadamente absolvido no ano passado por juízes designados pelo kirchneirsmo.

Se for considerado culpado no término deste julgamento, que poderia concluir daqui a seis meses, De la Rúa poderia receber uma condenação de até seis anos de prisão.

SUBORNOS – O escândalo veio à tona quando o ministro Flamarique disse em abril de 2000 em tom desafiante ao líder sindical Hugo Moyano que conseguiria a aprovação da lei com os senadores graças à “Banelco”, nome de um cartão de débito utilizado na Argentina na época, em alusão ao eventual suborno aos parlamentares.

Poucos meses depois, o vice-presidente Carlos “Chacho” Álvarez, renunciou, indignado com a falta de esclarecimentos. “A política deve deixar de estar associada ao delito”, disse no discurso de renúncia.

Na ocasião, De la Rúa defendeu-se argumentando que tudo não passava de uma intriga da imprensa. Nos meses seguintes o affaire dos subornos foi engavetado por “falta de provas”. Depois, De la Rúa arrematou: “aqui não há crise”.

Álvarez renunciou mas deixou todo seu partido, a Frepaso, no governo. E estes frepasistas ficaram até o último dia com De la Rúa (inclusive, vários integrantes frepasistas do gabinete delarruista hoje estão no governo da presidente Cristina).

No entanto, a saída de Álvarez gerou incertezas sobre o futuro político da Argentina. E, como neste país isso sempre está amarrado à economia, a renúncia do vice acelerou uma disparada na taxa de risco da Argentina, a perda de poder político para De la Rúa, uma fuga de divisas sem precedentes na História do país, saques aos comércios e finalmente a queda do próprio presidente, que fugiu da Casa Rosada em um helicóptero em dezembro de 2001.

Em 2003 o caso dos subornos aos parlamentares ressurgiu quando o ex-pró-secretário parlamentar do Senado, Mario Pontaquarto, afirmando-se “arrependido”, decidiu “contar tudo”. Esse “tudo” consistia no pagamento que ele próprio teria entregue por ordem do governo De la Rúa a um grupo de senadores para que estes aprovassem a impopular reforma trabalhista.

Segundo ele, o suborno contava com a aprovação de De la Rúa, que ordenou que fosse encontrar-se com o então chefe do Serviço Secreto do Estado (Side), o banqueiro Fernando De Santibáñez para que este lhe desse o dinheiro. Agindo como um motoboy, Pontarquato levou os US$ 5 milhões em duas valises para onze senadores do Peronismo e da UCR. Ele sustenta que apesar de ter feito o “serviço” não recebeu um centavo sequer.

Livro no qual De la Rúa explica sua versão sobre o escândalo do Senado foi sucesso de encalhamento nas estantes das livrarias

‘INOCENTE’ – Em 2006, meia década depois do abrupto fim de seu governo, De la Rúa lançou o livro “Operação Política”, no qual denunciava as supostas manobras da oposição realizadas contra ele. A obra, fracasso de crítica e de público, rapidamente encalhou nas livrarias.

Em dezembro do ano passado, quando completaram-se dez anos de sua queda, De la Rúa afirmou ao Estado que desejava a realização deste julgamento, já que tem “pressa” em demonstrar sua “inocência”: “este processo tem como base falsidades, baseadas em meros rumores. Querem envolver um presidente em algo que não é sério. É como a acusação de compra de votos que foi feita sobre Fernando Henrique Cardoso na votação para reformar a constituição que permitiu a reeleição. Naquele caso e no meu, não há nada sério”.

DE LA RÚA, DO ESTILINGUE AO OSTRACISMO POLÍTICO

Seu primeiro cargo público foi o de presidente do CPE (Caça de Pássaros com Estilingue). Tinha somente nove anos, mas ao tomar posse, o cordobês Fernando De la Rúa, nascido em 1937, redigiu uma declaração de princípios, preparou um estatuto e uma mensalidade a ser paga pelos sócios. Sua fama de chato começou nessa época.

Formado em Direito, entrou na política. Em 1973, o líder histórico líder da União Cívica Radical (UCR), Ricardo Balbín, o convidou para ser seu candidato a vice, contra Juan Domingo Perón, que os derrotou. Em 1983, integrante da linha conservadora do partido, disputou a candidatura da UCR à presidência do país contra seu colega Raúl Alfonsín, para quem perdeu. Posteriormente foi senador, deputado e em 1996, tornou-se o primeiro prefeito eleito da capital argentina.

Cédula eleitoral da Aliança UCR-Frepaso de 1999. Vários dos integrantes desse governo que colapsou estão em altos postos da administração atual.

Em 1999 – com uma campanha com o slogan “dizem que sou um tédio” (para diferenciar-se do festivo e frívolo menemismo) – este amante da ornitologia e da jardinagem foi eleito presidente da República. O candidato peronista derrotado, Eduardo Duhalde, definiu seu vitorioso rival: “é um medíocre com sorte”.

Mas a sorte foi breve, já que seu governo da coalizão UCR-Frepaso durou dois anos e dez dias. Os abalos sofridos pelo escândalo do Senado e a renúncia de seu vice Carlos “Chacho” Alvarez, foram coroados por uma fuga de divisas recorde que levou a economia ao colapso. Em dezembro de 2001 decretou o “corralito”, um confisco bancário sem precedentes no país que gerou a pior crise social, econômica e política da História argentina. Na época foi acusado de “relapso” e “esclerosado”. O caricaturistas o retratavam vestido com um pijama.

Desprezado por seus próprios correligionários da UCR, De la Rúa – fora da presidência – teve nulo poder político nos últimos dez anos. Analistas políticos sustentam, sem sutilezas: “De la Rúa não existe mais”.

 

Ad hoc com postagens sobre corrupção e desvio de fundos, o tango “Chorra!” (Ladra!), com Carlos Gardel:

   

 hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra).

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão:

E, the last but not the least, siga o @inter_estadão, o Twitter da editoria de Internacional do estadão.com.br .
Conheça também os blogs da equipe de Internacional do portal correspondentes, colunistas e repórteres. 
E, de bonus track, veja o Facebook da editoria de Internacional do Portal do Estadão, aqui. 
.………………………………………………………………………………………………………………………………………………….
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral (ou político-partidária) e publicidade religiosa também serão eliminadas dos comentários. Não é permitido postar links de vídeos. Os comentários que não tiverem qualquer relação com o conteúdo da postagem serão eliminados. Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).