Exportações argentinas de carne bovina caíram 77% desde início da intervenção do governo Kirchner
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Exportações argentinas de carne bovina caíram 77% desde início da intervenção do governo Kirchner

As vendas de carne bovina Made in Argentina ao exterior caíram 77% entre 2006 e 2014.

arielpalacios

26 de setembro de 2014 | 14h32

Os quadrúpedes bovinos acima foram ilustrados pelo holandês Vicent Van Gogh (1890)

A Câmara da Indústria e Comércio de Carnes e Derivados (Ciccra) anunciou que as vendas de carne bovina Made in Argentina ao exterior caíram 77% entre 2006 e 2014. Segundo os empresários, o motivo da queda significativa das exportações de um dos produtos-símbolo do país foi a série de restrições aplicadas sobre estas vendas a partir de 2006 pelo governo do presidente Néstor Kirchner (2003-2007). O governo pretendia desviar o produto para o mercado interno e assim forçar uma queda do preço da carne, elemento fundamental da mesa cotidiana dos argentinos.

No entanto, os governos de Néstor Kirchner e de sua sucessora, a presidente Cristina Kirchner, não conseguiram impedir a alta de preços da carne no mercado interno. Segundo o relatório da Cira, o preço da carne aos consumidores nos açougues aumentou 350% desde 2006.

O consumo de carne caiu de 68,5 quilos em 2007 por ano para os atuais 61 quilos. Por causa da crise no setor 132 frigoríficos tiveram que fechar suas portas, com a perda de 16.650 postos de trabalho. Segundo a Cira, “a política anti-pecuarista do governo custou ao país o total de US$ 24,86 bilhões”.

Hércules lidando com mais uma das várias tarefas que teve que fazer com herói free-lancer nos tempos mitológicos helênicos. Nesta ilustração de Antonio Tempesta (1555-1630), Hércules dá uns sopapos no touro de Posseidon em Creta. Esse foi seu sétimo trabalho.

IMPORTAÇÕES – Enquanto as exportações sofrem restrições, as importações também padecem problemas. Além das barreiras alfandegárias, o ato de importar tornou-se uma tarefa de Hércules devido à dificuldade de ter acesso a dólares para poder pagar as compras no exterior.

Segundo a Câmara de Importadores da Argentina (Cira), os importadores acumulam uma dívida entre US$ 5 bilhões e US$ 5,5 bilhões com os fornecedores no exterior. Desse total, US$ 2,5 bilhões correspondem à indústria automotiva argentina.

Há duas semanas o governo Kirchner anunciou que o Banco Central liberaria US$ 100 milhões a dividir entre as empresas do setor de acordo com suas posições de mercado e necessidades. No entanto, segundo Miguel Ponce, porta-voz da Cira, esse volume de dinheiro “é apenas um terço do total que as empresas precisam” 

hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra). Em 2013 publicou “Os Argentinos”, pela Editora Contexto, uma espécie de “manual” sobre a Argentina. Em 2014, em parceria com Guga Chacra, escreveu “Os Hermanos e Nós”, livro sobre o futebol argentino e os mitos da “rivalidade” Brasil-Argentina.

No mesmo ano recebeu o Prêmio Comunique-se de melhor correspondente brasileiro de mídia impressa no exterior.

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão, aqui.

E, the last but not the least, siga @EstadaoIntero Twitter da editoria de Internacional do Estadão.
E, de bonus track, veja o Facebook  da editoria de Internacional do Portal do Estadão,aqui.
.…………………………………………………………………………………………………………………………………………………
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral (ou político-partidária) e publicidade religiosa também serão eliminadas dos comentários. Não é permitido postar links de vídeos. Os comentários que não tiverem qualquer relação com o conteúdo da postagem serão eliminados. Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).