Foi saquear. Levou a mercadoria. E deixou o bebê
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Foi saquear. Levou a mercadoria. E deixou o bebê

arielpalacios

11 de dezembro de 2013 | 11h16

Cena do carrinho de bebê do filme “O encouraçado Potemkin”, do cineasta russo Sergei Eisenstein. A mãe do bebê tenta defender com seu corpo o filho, enquanto os soldados do tzar disparam. Ela morre, o carrinho cai pela escadaria da cidade de Odessa. Na argentina Tucumán os pais saíram correndo com a mercadoria roubada e deixaram o bebê no meio da violência.

Um casal em Tucumán, no norte da Argentina, participou dos saques realizados nos comércios dessa cidade ocorridos nesta terça-feira. A dupla levou seu bebê no carrinho, como se fossem a um passeio dominical.

Um dos principais pontos dos saques foi a área da distribuidora da empresa argentina de laticínios “Sancor” e dos comércios e residências localizadas ao lado das instalações da companhia.

O casal de saqueadores foi até o lugar para participar dos roubos. Empregados da companhia e moradores do bairro tentaram resistir ao assalto de centenas de pessoas. No entanto, não conseguiram impedir a ação dos saqueadores, que depredaram a área.

Quando a polícia chegou os saqueadores iniciaram a fuga, deixando atrás pedras e outros objetos contundentes com os quais haviam previamente destroçado as casas e comércios do bairro.

O casal, entre a mercadoria obtida e o bebê no carrinho, optou pelos produtos roubados.

No entanto, o dueto deixou o bebê dentro do carrinho.

Os policiais, estupefatos, encontraram o carrinho com o bebê dentro. “Ei, há um bebê aqui!”, diz um dos homens, enquanto, ao longe, os saqueadores fugiam.

A criança está desde ontem sob os cuidados das mulheres da força policial de Tucumán.

Os saques, com saldos de três mortos em Tucumán, ocorreram durante a greve da polícia provincial, que exigia maiores salários. O governador José Alperovich fez um acordo salarial com as forças de segurança. No entanto, nesta quarta-feira, boa parte dos policiais ainda não haviam retornado ao trabalho.

Nesta quarta, em diversos bairros de Tucumán, por precaução, os assustados moradores armaram barricadas nas esquinas para proteger suas casas dos saqueadores.

Na noite de terça-feira milhares de pessoas protagonizaram um pacífico panelaço na frente do palácio do governador em Tucumán para exigir mais segurança na cidade e proteção perante os saques.

No entanto os civis foram violentamente reprimidos pela polícia provincial, que havia acabado de conseguir um acordo com o governador Alperovich, um dos principais aliados da presidente Cristina Kirchner.

Até esta quarta-feira o saldo de saques em diversas províncias argentinas era de 11  pessoas mortas. Segundo a Confederação Empresarial Argentina, 1.888 comércios foram saqueados em 14 províncias desde a semana passada.

Na terça-feira à noite a presidente Cristina Kirchner condenou os saqueadores, aos quais acusou de “violentos” e de antidemocráticos.

Acima, as cenas dos saques em Tucumán e o carrinho abandonado.

Embaixo, a famosa cena do filme de Eisenstein:

hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra).

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão:

E, the last but not the least, siga o @inter_estadãoo Twitter da editoria de Internacional do estadão.com.br .
Conheça também os blogs da equipe de Internacional do portal correspondentes, colunistas e repórteres.
E, de bonus track, veja o Facebook  da editoria de Internacional do Portal do Estadão, aqui.
.………………………………………………………………………………………………………………………………………………….
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral (ou político-partidária) e publicidade religiosa também serão eliminadas dos comentários. Não é permitido postar links de vídeos. Os comentários que não tiverem qualquer relação com o conteúdo da postagem serão eliminados. Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.