Fúnebres & VIPs: Um quarto de milhão de dólares para ser vizinho de Evita Perón
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Fúnebres & VIPs: Um quarto de milhão de dólares para ser vizinho de Evita Perón

arielpalacios

05 de agosto de 2011 | 09h14

 

Location, location, location: No cemitério da Recoleta vende-se túmulo vizinho ao de Evita por US$ 250 mil. Vizinhos tranqüilos à noite. Na foto, de Ariel Palacios, túmulo de Evita é o da esquerda, de mármore preto. O túmulo em venda, o claro do lado direito, era da família Pineda Figueroa.

 ais de 2 mil pessoas – basicamente estrangeiros – visitam diariamente o cemitério da Recoleta, no bairro homônimo na capital argentina. A maioria faz a visita de praxe ao sóbrio mausoléu onde está enterrada Evita Perón, mulher do presidente Juan DomingoPerón e a figura feminina mais famosa da História da Argentina, cuja vida foi imortalizada não somente em monumentos, mas também em musicais da Broadway, filmes e desenhos animados. Por tabela, ser vizinho do túmulo da Evita implica em um fúnebre status VIP, que é acompanhado pela inevitável alta cotação imobiliária. Desta forma, o mausoléu de Livia Pineda de Figueroa, localizado do lado direito da jazida eterna de Evita, está sendo vendido por US$ 250 mil.

O pequeno cartaz colocado na porta do mausoléu tem como público-alvo argentinos e estrangeiros, já que indica de forma bilíngue que está “En venta / On sale”. O vendedor, que autodenomina-se como “D.Sabelli”, herdou o túmulo de sua mãe, descendente de Lívia.

 

Mausoléu da família Leloir. Federico Leloir foi o Nobel de Química de 1970. Este túmulo, se fosse colocado à venda, estaria acima de US$ 400 mil.

s especialistas indicam que o preço só não é mais alto porque o mausoléu de Lívia não é de mármore, a qualidade da construção deixa a desejar, e está longe do portão de entrada do cemitério. Apesar destas desvantagens, prevalece o mantra americano das imobiliárias – “location, location, location” (localização, localização, localização) – que faz que o preço do fúnebre imóvel contíguo ao de Evita seja equivalente ao valor pago por apartamentos de120 metros quadrados em bom estado de edifícios ao redor do cemitério da Recoleta.

A cotação dos túmulos na Recoleta oscilam ao redor de US$ 20 mil (quando são pequenos e deteriorados) a US$ 400 mil (os mais elegantes, com mármore e esculturas). Geralmente, por ano, ficam à venda de 15% a 20% do total dos mausoléus.

A cotação dos túmulos na Recoleta é significativamente mais elevada do que em outros cemitérios considerados “populares”, como o La Chacarita, onde está enterrado o cantor de tangos Carlos Gardel. No entanto, entre os dois mitos – o musical e o político – a parada é ganha pela “Porta-estandarte dos operários”, já que para passar o além na vizinhança de Gardel os preços de venda de túmulos usados oscilam ao redor de módicos US$ 15 mil.

Superestrela do cemitério onde também estão enterrados figuras da política argentina como os ex-presidentes Hipólito Yrigoyen, Marcelo T.de Alvear, Juan Manuel deRosas e Bartolomé Mitre, da cultura, como o escritor Adolfo Bioy Casares, e da ciência, como o Prêmio Nobel de Química de 1970 Federico Leloir (que também foi o suposto inventor do “molho rosé”), o mausoléu de Evita é um dos 4.950 túmulos e mausoléus dos mais diversos tamanhos e categorias do cemitério mais aristocrático de Buenos Aires.

Felino (vivo) faz soneca ao lado de um dos túmulos mais antigos do cemitério da Recoleta. Foto de Ariel Palacios.

 M CADÁVER ‘TROFÉU’ – Evita não teve um post-mortem plácido. Primeira integrante do casal Perón a ir para o além, foi embalsamada em 1952. Três anos depois seu viúvo foi derrubado por um golpe de Estado. Na sequência, o corpo de Evita foi sequestrado pelos militares como troféu.

Diversos oficiais violaram o corpo embalsamado como vingança. Depois, decidiram que era melhor escondê-lo longe da Argentina, onde era considerada “santa” pelos operários. A saída foi enterrá-la em uma igreja em Milão com um nome falso.

Em 1972, quando Perón estava a ponto de voltar para a Argentina, foram realizadas negociações com os militares para reaver o corpo. O grupo guerrilheiro Montoneros, para pressionar as Forças Armadas, sequestrou o corpo do general Eugenio Aramburu (que eles próprios haviam assassinado dois anos antes). Esta “necro-retaliação” só se resolveu quando os militares entregaram o corpo a Perón. Pouco depois, reapareceu o corpo de Aramburu.

Em 1974 Perón morreu. Durante dois anos os corpos de Perón e Evita estiveram em uma sala na residência oficial de Olivos. O governo estava nas mãos da terceira esposa de Perón,María Estela ‘Isabelita’ Martínez de Perón. Aconselhada pelo ministro e astrólogo José López Rega, conhecido como “El Brujo” (O Bruxo), Isabelita deitava-se em cima do caixão de Evita para obter desta os “fluidos energéticos” que lhe proporcionariam o carisma do qual carecia.

...

, ad hoc para esta postagem, Dança Macabra, de Charles Camille Saint-Saëns, aqui.

A mesma peça, mas no “estilo Tim Burton”. Aqui.

 hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra).

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão:

E, the last but not the least, siga o @inter_estadão, o Twitter da editoria de Internacional do estadão.com.br .
Conheça também os blogs da equipe de Internacional do portal correspondentes, colunistas e repórteres.
 ………………………………………………………………………………………………………………………………………………….
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral (ou político-partidária) e publicidade religiosa também serão eliminadas dos comentários. Os comentários que não tiverem qualquer relação com o conteúdo da postagem serão eliminados. Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.