Há seis décadas Perón desferia guerra total para asfixiar a mídia não-alinhada
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Há seis décadas Perón desferia guerra total para asfixiar a mídia não-alinhada

arielpalacios

05 de dezembro de 2012 | 00h42

Entre o final dos anos 40 e início dos 50 o então presidente Juan Domingo Perón tinha o controle da maior parte da mídia argentina. Poucos persistiam em criticar suas políticas. Um deles, o “La Prensa”, foi alvo de uma intensa guerra desatada pelo governo, que tentou asfixiar o jornal por intermédio de ações do fisco, denúncias sanitárias, boicote ao periódico, redução na venda de papel de jornal, entre outras medidas. Acima, o casal Juan Domingo Perón e Eva Duarte de Perón em pose de gala. O quadro está atualmente no Museu do Bicentenário, atrás da Casa Rosada. Detalhe interessante: por causa do amplo sorriso do carismático Perón, o militar que tornou-se presidente quando era coronel, era chamado de “Coronel Kolynos”.

Fui derrubado do governo quando tinha todos os meios de comunicação a favor…e ganhei as eleições quanto tinha todos os meios contra mim!”. A frase foi pronunciada pelo presidente Juan Domingo Perón em 1974, pouco antes de morrer. O septuagenário caudilho, que fazia um balanço sobre sua relação com a mídia, referia-se à sua queda em 1955 – quando ostentava um controle sem precedentes da maioria dos meios de comunicação – e de sua vitoriosa eleição, em 1973 – que bateu recordes de votação – quando a mídia era majoritariamente contrária ao fundador do peronismo.

Perón foi intensamente recordado nos últimos três anos, desde a aprovação da Lei de Mídia, já que – segundo os analistas políticos – a presidente Cristina Kirchner, em vez de ter a atitude de tolerância dos derradeiros anos de Perón, reprisa a ambição de ter o controle total da mídia que havia caracterizado o fundador do peronismo no início da carreira, nos anos 40 e 50.

Da mesma forma que Cristina tenta atualmente destruir o poder do Grupo Clarín, a principal holding multimídia argentino, Perón colocou uma bateria de restrições à mídia privada e armou uma superestrutura de meios de comunicação estatais, além de redes privadas de empresários “amigáveis”.

Perón, em seus primeiros dois governos (1946-55), contava com uma ampla rede de comunicação que divulgava as notícias favoráveis à sua administração e omitia os assuntos inconvenientes. Ele contava com o Alea S.A., um monopólio estatal criado em 1951 que tinha o respaldo de três grupos que eram nominalmente privados mas que estavam diretamente comandados pelo governo: a editora Heynes, a Associação Promotores de Teleradiodifusão e a editora La Razón (que publicava um dos principais jornais do país, o “La Razón”).

Segundo o historiador Eduardo Lazzari, a primeira estratégia de Perón em relação aos meios de comunicação foi a de defender-se das críticas. No entanto, pouco tempo depois de chegar ao poder o fundador do peronismo concluiu que a defesa não era suficiente. Desta forma, começou a pressionar os donos de meios de comunicação a vender seus jornais, revistas e estações de rádio.

.

No início dos anos 50 Perón abraça efusivamente o ditador do Paraguai, Alfredo Stroessner. Quando foi derrubado, em 1955, Perón buscou refúgio em Assunção, capital do país do amigo presidente paraguaio. E embaixo, em 1974, cumprimenta o recém-empossado ditador/general chileno Augusto R. Pinochet. O “R” é de “Ramón”.

Boa parte das pressões eram realizadas pela Comissão Bicameral Investigadora de Atividades Anti-argentinas. comandada pelo ultra-peronista deputado Emilio Visca, que vasculhava os livros de contabilidade dos jornais não alinhados com Perón para ter argumentos para seu fechamento, confisco ou intervenção.

Tal como o governo da presidente Cristina Kirchner fez com o jornal “Clarín” ao realizar uma blitz de insólitas proporções da Afip (a receita federal argentina) – as companhias jornalísticas que resistiam ao assédio de Perón eram pressionadas com o Fisco. Algumas eram alvo da vigilância sanitária: se os vasos sanitários dos banheiros dos funcionários apresentassem alguma irregularidade ou sujeira maior à costumeira, podiam ser fechados.

Em alguns casos, se os empresários mostrassem obediência, podiam ser designados como diretores de suas ex-empresas, agora estatizadas, de forma a camuflar a compra compulsória realizada pelo governo. O modus operandi era o de destinar os fundos necessários para essas compras eram provenientes do Instituto Argentina para o Estímulo ao Intercâmbio (Iapi), comandado por Miguel Miranda, um gênio da contabilidade criativa.

O antigo edifício do La Prensa, na avenida de Mayo. Atualmente é a Secretaria de Cultura da capital argentina

LA PRENSA – A “mãe de todas as batalhas” de Perón na mídia foi o combate contra o “La Prensa”, jornal da aristocrática família Paz, definido pela revista americana “Time” como um dos mais respeitados periódicos do mundo na época. O “La Prensa”, cuja tiragem era de 480 mil exemplares, tornou-se alvo de uma campanha do governo a partir de 1947.

O “La Prensa” foi atacado pelas rádios aliadas do governo e enfrentou uma campanha oficial que promovia o boicote da compra de seus exemplares. Os anunciantes eram pressionados para não colocar publicidade nas páginas do “La Prensa”. O racionamento de papel encolheu o jornal das 40 páginas costumeiras a apenas 12. Mas, o jornal, apesar das pressões, continuava saindo às ruas.

Tal como o “Clarín” atualmente, o “La Prensa” era alvo de blitze sem justificativas do fisco argentino.

Em 1950, o governo confiscou as novas rotativas importadas e as destinou para o “Democracia”, jornal editado pelo próprio Estado argentino. Em 1951 o sindicato dos jornaleiros ameaçou não distribuir mais o periódico. O “La Prensa” sobreviveu vendendo os exemplares em sua sede aos leitores que iam até o centro portenho comprar o jornal.

O “La Prensa” estava disposto a resistir, apesar da guerra desatada por Perón. Sem conseguir colocar o jornal de joelhos, Perón, com a aprovação do Parlamento – no qual o peronismo era maioria – ordenou o confisco do “La Prensa”, que foi entregue à Confederação Geral do Trabalho (CGT), a única central sindical autorizada por Perón. O líder do bloco peronista na Câmara, John William Cooke, afirmou que o governo estava contra “La Prensa” porque, segundo ele, o jornal “estava contra os operários e contra os peronistas”.

O historiador Luis Alberto Romero afirmou ao Estado que a liberdade de expressão nos tempos de Perón sofria um amplo leque de problemas, indo desde o “fechamento de jornais, passando pelo confisco e estatização dos meios de comunicação, até a auto-censura”. Romero relata que seu pai, o historiador José Luis Romero, que era colaborador do jornal “La Nación”, às vezes dizia ao filho que o estilo jornalístico desse periódico estava “muito imbricado”.

“Mas essa era única forma de conseguir dizer certas coisas, por intermédio de elipses, evitando ser explícito, para driblar problemas com o governo de Perón, que já havia demonstrado sua determinação em anular meios críticos fechando o ‘La Prensa’”.

Perón e Evita assistem uma parada militar na frente do Congresso Nacional

Jornais como “La Nación” – que já enfrentava o racionamento de papel de jornal, controlado pelo governo – tiveram que moderar suas críticas ao presidente Perón, para evitar correr destino similar ao “La Prensa”.

Com a queda de Perón em 1955, o “La Prensa” voltou às mãos de seus donos originais. No entanto, o jornal nunca mais foi o mesmo, já que durante a intervenção iniciou uma fase de decadência que foi aproveitada por um periódico que começava seus primeiros passos, o “Clarín”, que teve apoio de Perón e que é o leitmotiv da política da presidente Cristina Kirchner.

E, para encerrar esta noite, a “Lacrimosa”, do Réquiem de Wolfgang Amadeus Mozart. Rege Hebert von Karajan:

 

hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra).

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão:

E, the last but not the least, siga o @inter_estadão, o Twitter da editoria de Internacional do estadão.com.br .
Conheça também os blogs da equipe de Internacional do portal correspondentes, colunistas e repórteres.
E, de bonus track, veja o Facebook da editoria de Internacional do Portal do Estadão, aqui.
.………………………………………………………………………………………………………………………………………………….
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral (ou político-partidária) e publicidade religiosa também serão eliminadas dos comentários. Não é permitido postar links de vídeos. Os comentários que não tiverem qualquer relação com o conteúdo da postagem serão eliminados. Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).

Tendências: