Juiz federal investiga família Kirchner (enquanto isso, o governo tenta remover o juiz)
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Juiz federal investiga família Kirchner (enquanto isso, o governo tenta remover o juiz)

arielpalacios

28 de novembro de 2014 | 16h47

BlogCristinaKirchnerMaximoKirchnerFlorenciaKirchner - copia

A presidente Cristina Kirchner com seu bastão e faixa presidencial. Atrás de “el sillón de Rivadavia” (a poltrona presidencial), o primogênito Máximo e a caçula Florencia. 

O juiz federal Claudio Bonadío ordenou na quinta-feira à Polícia Metropolitana uma blitz nos escritórios da Administração Federal de Ingressos Públicios (Afip, sigla da receita federal argentina) para obter as declarações juramentadas da presidente Cristina Kirchner e de integrantes de sua família. O juiz investiga supostas irregularidades nos balanços e na composição acionária da empresa Hotesur, administradora do hotel de luxo Alto Calafate, no vilarejo de El Calafate, na província de Santa Cruz, na Patagônia. O juiz solicitou documentos relativos à presidente Cristina, seus filhos Máximo e Florencia, além das declarações juramentadas do ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007), que morreu em 2010.

Bonadío suspeita que o hotel foi utilizado para operações do delito de lavagem de dinheiro em parceria com Lázaro Báez, sócio dos Kirchners em diversos empreendimentos imobiliários na Patagônia. O empresário, cujas empresas principais são empreiteiras que concentraram a maior parte das obras públicas da gestão Kirchner no sul da Argentina, enriqueceu de forma exponencial nos últimos anos. Báez está sendo processado desde o ano passado pela lavagem de 60 milhões de euros.

As suspeitas sobre lavagem de dinheiro começaram com a descoberta do pagamento que Báez havia feito em 2013 Báez, de forma retroativa, por 935 diárias no hotel Alto Calafate, como se os quartos tivessem sido ocupados ininterruptamente nos anos 2010 e 2011. Além do pagamento retroativo, o juiz suspeito pelo detalhe de que os quartos nunca haviam sido ocupados.

Bonadío também pediu as declarações juramentadas de Martín Báez, filho do empresário, e de Romina Mercado, sobrinha do casal Kirchner. Romina é irmã de Natalia Mercado, procuradora federal que engavetou diversas investigações judiciárias sobre seus tios Néstor e Cristina na província de Santa Cruz.

Bonadío também está procurando informações sobre o hotel-boutique Los Sauces, instalado ao lado da mansão que a presidente possui em El Calafate, que ela chama de “meu lugar no mundo”.

A deputada da oposição Margarita Stolbitzer afirmou que a Justiça “pisou em um formigueiro” com a denúncia sobre o primeiro hotel, já que estão aparecendo outras irregularidades nos negócios da presidente Cristina.

REVIDE – O governo Kirchner revidou as investigações com um pedido de julgamento político do juiz Bonadío, anunciado ontem pelo vice-ministro da Justiça, Julián Álvarez. “O desempenho de Bonadío é indignante!”, exclamou Álvarez, integrante de “La Cámpora”, denominação da juventude kirchnerista. O governo acusa Bonadío de “lavagem de dinheiro, enriquecimento ilícito e abuso de autoridade”.

No entanto, o vice-ministro Álvarez, em declarações à imprensa, afirmou que “este governo não persegue juízes”.

Na terça-feira, em discurso perante os empresários da Câmara de Construção, a presidente Cristina desafiou: “nenhum ‘carcará’ (ave predadora da família dos falcões) judiciário vai me extorquir!”.

SUÍÇA – Deputados do partido socialista no Parlamento da Suíça solicitaram ao governo em Berna que envie à Justiça em Buenos Aires dados sobre as contas do empresário Lázaro Báez em bancos suíços.

EMPRESÁRIO – Lázaro Báez passou de ser um desconhecido contador do Banco da Província de Santa Cruz em 2001 a transformar-se em um dos principais empreiteiros do país. Sócio do casal Kirchner em vários empreendimentos imobiliários, em 2011 deu de presente à Cristina Kirchner o grande mausoléu no cemitério de Río Gallegos, onde repousa o caixão de seu marido, morto em 2010.

Em 2010 a Coalizão Cívica, de oposição, denunciou a existência de irregularidades na indenização de terras que seriam alagadas pelos lagos das hidrelétricas em Santa Cruz. Segundo a denúncia, Báez, informado previamente por Néstor Kirchner da construção das hidrelétricas, havia comprado a baixo preço 182 mil hectares de terras nas margens dos rios. Na sequência, o governo federal pagou uma substancial indenização pelas terras.

blog1dedo4baixoPara encerrar, vamos com a valsa de “Il Gattopardo”, de Nino Rota:

hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra). Em 2013 publicou “Os Argentinos”, pela Editora Contexto, uma espécie de “manual” sobre a Argentina. Em 2014, em parceria com Guga Chacra, escreveu “Os Hermanos e Nós”, livro sobre o futebol argentino e os mitos da “rivalidade” Brasil-Argentina.

No mesmo ano recebeu o Prêmio Comunique-se de melhor correspondente brasileiro de mídia impressa no exterior.

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão, aqui.

E, the last but not the least, siga @EstadaoInter, o Twitter da editoria de Internacional do Estadão.
E, de bonus track, veja o Facebook  da editoria de Internacional do Portal do Estadão,aqui.
.…………………………………………………………………………………………………………………………………………………
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral (ou político-partidária) e publicidade religiosa também serão eliminadas dos comentários. Não é permitido postar links de vídeos. Os comentários que não tiverem qualquer relação com o conteúdo da postagem serão eliminados. Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).

Tendências: