Justiça aperta cerco sobre ex-secretário dos Kirchners
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Justiça aperta cerco sobre ex-secretário dos Kirchners

arielpalacios

24 de novembro de 2010 | 15h43

 

70% dos trens e vagões comprados à Espanha pelo ex-secretário de Transportes do casal Kirchner são totalmente imprestáveis. Na contra-mão, na ilustração acima, um trem que vai – literalmente – a todo vapor.  “Ausfahrender Zug”, de 1902, do impressionista alemão Hermann Pleuer (1863-1911). Quadro exposto no Museu Folkwang, Essen, Alemanha. Pleuer foi um pintor “especializado” em assuntos ferroviários, pois era o artista da companhia ferroviária de Württemberg, a Königlich Württembergischen Staats-Eisenbahnen.

Apreciador de carros de luxo, ternos caros e assessoras curvilíneas, o ex-secretário de Transportes Ricardo Jaime, fiel assessor da presidente Cristina Kirchner e de seu marido e ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007), está na mira da Justiça, que encontrou 26 mil mails e documentos que revelariam sua participação em operações de superfaturamento, pedidos de propinas, criação de sociedades fantasma e favores empresariais irregulares especialmente na área aeronáutica e ferroviária. Um dos principais escândalos envolve Jaime como o responsável direto pela compra de material ferroviário deteriorado da empresa estatal espanhola Renfe.

Nos mails e documentos de Jaime – que enriqueceu misteriosamente nos últimos sete anos – aparecem números de contas bancárias, nomes de integrantes do governo, sindicalistas e empresários envolvidos nessas operações irregulares.

O material foi encontrado em onze computadores no escritório de seu sócio, Manuel Vázquez, tradicional lobista do peronismo. Nos mails aparecem frases comprometedoras como “milhões para a gangue”, “presentes para nós” e “estariam sobrando uns 700 mil euros que temos que avaliar como a gente usa melhor”.

Homem de confiança dos Kirchners, aos quais acompanhava desde 1991 (quando Néstor Kirchner era governador da província de Santa Cruz), Jaime foi colocado no posto de secretário federal de transportes em 2003. Ali, durante meia década, controlou um total de US$ 1 bilhão em subsídios anuais ao setor.

Jaime, durante uma sabatina no Parlamento

Jaime foi removido da secretaria de Transportes em julho do ano passado após a derrota do governo nas eleições parlamentares. Na ocasião, os próprios aliados do governo pediram aos Kirchners uma renovação parcial do gabinete para tentar melhorar a imagem pública. Jaime era uma das figuras visadas dessa reforma ministerial, já que ele era o integrante do gabinete mais acusado de casos de corrupção. Desta forma, tornou-se no primeiro integrante da administração Kirchner que teve que renunciar ao cargo pelos escândalos.

Os mails e documentos encontrados pela Justiça também revelam que empresários espanhóis do setor de trens reclamavam dos pedidos de propinas de Jaime, que encomendou vagões às empresas Renfe e Feve. No entanto, 70% do total vagões enviados à Argentina jamais foram usados, já que estão em péssimo estado.

Os mails indicam que nesta operação – sobre a qual existem suspeitas graves de superfaturamento – Jaime e Vázquez haviam separado uma parte do pagamento para “la banda” (a gangue). Nos mails não aparece especificado quem integra esse grupo. No entanto, fica claro que “a gangue” ficaria com 3,5 milhões de euros (10,8% do total do negócio).

O ex-secretário também é acusado de receber um avião learjet de presente de empresários para seu transporte privado.

TREM BALA – A Oposição acusa os Kirchners de graves irregularidades no contrato que o governo assinou com a empresa francesa Alstom para a construção do trem-bala argentino, obra que estava na órbita de Ricardo Jaime. O advogado Ricardo Monner Sans, famoso por ter denunciado diversos casos de corrupção na última década e meia na Argentina, e o ex-deputado Mario Cafiero sustentam que o custo da obra, ao contrário dos quase US$ 4 bilhões oficialmente anunciados pelo governo Cristina, seria, na realidade, de US$ 13,49 bilhões. O projeto está temporariamente suspenso.

A deputada Elisa Carrió, líder da Coalizão Cívica, de oposição, segunda colocada nas eleições presidenciais de 2007, sustentou que “o contrato com a Alstom humilha o povo argentino e é um símbolo da corrupção kirchnerista”.

Jaime foi um dos mais fiéis assessores da presidente Cristina

DO MODESTO APARTAMENTO PATAGÔNIO AO LUXO DA PORTENHA AVENIDA LIBERTADOR – Nos anos 90 Ricardo Jaime morava em um espartano apartamento em Río Gallegos, capital da província de Santa Cruz, feudo político de Kirchner na Patagônia. Mas, desde a chegada de seu chefe à presidência do país, Jaime passou a residir em apartamentos de luxo na elegante avenida Libertador em Buenos Aires.

No novo posto, Jaime começou a trajar elegantes ternos, usar carros caros, além de contratar curvilíneas secretárias. Mas, apesar do enriquecimento aparente, a declaração de bens de Jaime indicava no ano passado que ele possuía apenas US$ 20 mil.

Jaime foi o principal suspeito em 2005 do “Narco-maletas”, escândalo de contrabando de cocaína dentro de malas transportadas pela companhia aérea privada Southern Winds, subsidiada pelo governo.

Em 2008 ele foi o responsável pela polêmica reestatização da Aerolíneas Argentinas. O ex-secretário também é acusado de supostos superfaturamentos em licitações públicas. Em um dos casos, o de reformas nas estações de trem dos municípios da Grande Buenos Aires, a Justiça detectou superfaturamentos de 285%.

IATE – No início deste ano a Justiça argentina anunciou que autoridades brasileiras localizaram em Florianópolis o iate “Capricórnio”, que seria uma das provas do enriquecimento ilícito de Jaime. Ele teria pago – por intermédio de testas-de-ferro – US$ 1 milhão pelo iate, um modelo Altamar 64 com matrícula DL2 153 AC. Os partidos da oposição afirmam que o ex-secretário possui diversos imóveis no Brasil, onde reside sua filha, Romina Jaime, gerente de uma pousada em Santa Catarina.

SECRETÁRIO DE CRISTINA – Isidro Bounine, secretário pessoal da presidente Cristina Kirchner, é outro integrante da administração Kirchner que está sendo investigado pela Justiça por suposto enriquecimento ilícito. Bounine, que tem apenas 31 anos, passou de um patrimônio pessoal de 15 mil pesos (US$ 3,7 mil) em 2005 para 734 mil pesos em 2008 (US$ 183 mil), volume que seu salário não teria permitido atingir nesse período. Bounine é uma das pessoas encarregadas de digitar os tweets da presidente.

A mãe de Bounine foi doméstica dos Kirchners quando estes moravam na Patagônia. Posteriormente transformou-se na babá da filha da presidente, Florencia Kirchner, atualmente com 19 anos.

Um dos hits de Claude Monet, a Gare de Saint Lazare. Pintado em 1877. Está no Musée D’Orsay, Paris.

E, já que falamos de trens, em um disco de 78 rpm, o tango “Se va el tren” (O trem está indo embora), com a orquestra de Miguel Caló. Aqui.

 ????? ?????????!!!

E para encerrar, nada a ver com o conteúdo acima: uma divertida e interessante versão russa de um tango de Astor Piazzolla ( ????? ?????????). Aqui.

hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra).

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4…E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão:

………………………………………………………………………………………………………………………………..
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral (ou partidária) e publicidade religiosa também serão eliminadas dos comentários. Os comentários que não tiverem qualquer relação com o conteúdo da postagem serão eliminados. Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).

……………………………………………………………………………………………………………………………….

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.