Livro relata ‘conexão argentina’ de Vinícius de Moraes
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Livro relata ‘conexão argentina’ de Vinícius de Moraes

arielpalacios

21 de julho de 2010 | 20h11

blogvinicius-1a

Vinícius de Moraes em ‘La Fusa’, o templo da bossa nova em Buenos Aires. O poetinha se apresentou ali durante meses seguidos, acompanhado, em boa parte das ocasiões, por Toquinho e Maria Creuza. Os três são considerados – informalmente – “portenhos honorários” por seus fãs (todas as fotos desta postagem são da coleção de Liana Wenner e mostram Vinícius em ‘La Fusa’, que ficava na avenida Santa Fe, na frente da atual livraria El Ateneo).

blog1vinheta71E, antes de começar este relato, segue um link com uma gravação feita em “La Fusa”, na qual Vinícius e Toquinho cantam “Na tonga da mironga do kabuletê”. Imperdível a conversa dos dois em espanhol no início da gravação. Aqui.

blog1dedo2bOs argentinos possuem uma relação de intensa admiração por Vinícius de Moraes, um habitué da cidade de Buenos Aires durante uma década  partir de 1968. No entanto, mais do que um visitante, o poeta é praticamente considerado um ‘portenho honorário’. Não é à toa que “Nuestro Vinícius” (Nosso Vinícius) foi o título escolhido pela especialista em literatura e empreendedora cultural Liana Wenner para relatar a presença de Vinícius em terras portenhas.

“Cresci ouvindo na casa de meus pais um velho long play do show de ‘La Fusa’. Achava fascinante essa forma de expressar a alegria e a liberdade que vocês brasileiros possuem”, explica ao Estado a autora do livro, Liana Wenner, especialista em literatura e empreendedora cultural, enquanto beberica um café no bar “Duero”, na esquina da avenida Santa Fe e Pueyrredón (a poucos quarteirões onde estava “La Fusa”, o extinto café-concert que durante um decênio foi o templo da bossa nova em Buenos Aires).

O livro, da editora Sudamericana, será lançado oficialmente nesta quinta-feira em meio a uma festa com muita bossa nova e homenagens ao poetinha por parte dos amigos que teve na capital argentina há quatro décadas.

blogvinicius-2B

blog1vinheta58 VINÍCIUS, SEUS LIVROS E MAFALDA – A conexão portenha começou em 1966 o então advogado Daniel Divinsky – fascinado com a trilha sonora do filme francês “Um homem e uma mulher” (que incluía várias canções de Vinícius de Moraes) e “Orfeu Negro” – passou 36 horas em ônibus sem conforto algum de Buenos Aires até o Rio de Janeiro para propor ao poeta a edição de seus livros na Argentina.

“Vinícius topou, mas pediu 15% pelos direitos de autor, quase o triplo do que cobravam os autores europeus. Aceitei porque queria ter Vinícius entre nossos primeiros títulos. E assim publicamos ‘Para viver um grande amor’”. O livro foi lançado em agosto de 1968. Nos dois primeiros anos Divinsky vendeu quinze edições da obra.

Divinsky fundou a Ediciones de la Flor, casa editorial que na mesma época em que começou a editar Vinícius de Moraes na Argentina (livros que foram vendidos para o resto da América do Sul), também iniciou a publicação dos livros de tirinhas da personagem “Mafalda”, do cartunista Quino.

blog1vinheta62 ESTREIA, CAFÉ, ATRASO E PELÉ – O desembarque de Vinícius de Moraes ocorreu no dia 8 de agosto de 1968 em Buenos Aires. Cinco depois, ele se faria duas apresentações no Teatro Ópera. “Vinícius veio para esta cidade para ser a ponta de lança de uma intensa campanha dos exportadores brasileiros de café, que queriam divulgar o produto na Argentina contra seus principais concorrentes, os colombianos, que também estavam fazendo uma agressiva divulgação. A delegação brasileira era um luxo”, disse Wenner ao Estado, citando os integrantes: “Dorival Caymmi, o Quarteto em Cy, Baden-Powell e Oscar Castro Neves”.

A primeira apresentação estava marcada para as 20:30 horas. Mas, eram as 20:15 e Vinícius não aparecia no teatro. De seu hotel, a 15 quarteirões dali, havia saído às 17:00. Os organizadores ligaram para a Polícia, temendo que Vinícius teria sido sequestrado. Mas, o poeta simplesmente não havia percebido que era tarde, e chegou em cima da hora.

Às 22:30 horas o show havia terminado. Mas, o público não queria sair. Mas, do lado de fora, na avenida Corrientes, mais de 3 mil pessoas pretendiam entrar para a segunda apresentação da noite.

No meio dessa atribulada “noite mágica”, como define Wenner, quatro jogadores do Santos, que estavam em Buenos Aires para um amistoso contra o River Plate, apareceram na porta para tentar entrar no começo da segunda apresentação. O produtor do show foi abordado pelo lanterninha, que gaguejava emocionado: “senhor, senhor..Pelé está aqui!!!!”.

Minutos depois, Pelé e seus colegas estavam em cima do palco. O público, em delírio, aplaudia freneticamente. Segundo Wenner, “Baden começou a improvisar uma batida de samba ao estilo Pixinguinha. A bateria acompanhou. Vinícius aproximou-se para abraçar os jogadores. Pelé começou a chorar como um garoto”.

blogvinicius-3B

blog1vinheta58 LA FUSA, PIAZZOLA E FERRER – Vinícius ficou em Buenos Aires mais além do previsto e começou a frequentar as casas de shows e a intelectualidade portenha. O poeta ia às apresentações que Astor Piazzolla fazia na época e – escondido no meio do público – gritava: “seu filho da p…!”. O sisudo público portenho ria perante a brincadeira. Piazzolla, que ainda enfrentava resistência dos tangueiros tradicionalistas, deleitava-se com o humor de Vinícius, que descontraía o ambiente do show.

O poeta uruguaio Horacio Ferrer – que com Piazzolla preparou a “Balada para um louco” – conheceu Vinícius em Buenos Aires.

Juntos, segundo Wenner, prepararam “um musical com chorinhos e tangos que teria o inquietante nome de ‘Os exilados do cruzeiro do sul’. Mas, este projeto não se concretizou”.

Em 1970 debutou o show em “La Fusa”, um café-concert no bairro da Recoleta. As apresentações de Vinícius no “La Fusa” – acompanhados de Maria Creuza e Toquinho – são considerados um dos pontos altos da vida cultural portenha da primeira metade daquela década. Os shows nesse café-concert prolongariam-se em diversas fases até 1972 e tiveram influência sobre uma geração de músicos e poetas argentinos.

blog1vinheta62 SAMBAS PORTENHOS – Em Buenos Aires compôs “Samba da Rosa”, dedicado a Rosa, a cozinheira e empregada de um amigo, o americano Fred Sill, que emprestava o apartamento da esquina das avenidas Las Heras e Coronel Díaz ao poeta. O samba foi escrito por Vinícius, mergulhado na banheira – com uma máquina de escrever sobre um suporte de madeira – enquanto Toquinho, com o violão, ficava sentado sobre o bidê.

Na mesma época, no apartamento que Renata Deschamps (mãe da modelo e atriz Alexia Deschamps) tinha na ‘calle’ Montevideo (entre as ruas Posadas e Alvear), Vinícius e Toquinho prepararam a versão definitiva de “Tarde em Itapoã”.

Nesse período profícuo Vinícius também compôs “Valsa para uma menininha” (cujo título completo era ‘Valsa para uma menininha chamada Camila’). A garotinha em questão era Camila Goñi, filha da jornalista argentina Helena Goñi, que cobria os shows de Vinícius.

blogvinicius-4b

blog1vinheta58 ESPOSA PORTENHA – A presença em terras portenhas também valeu a Vinícius de Moraes uma esposa, a oitava das nove mulheres que tiveram vida de casal com ele. Ela era a argentina Marta Rodríguez Santamarina (única esposa não brasileira de Vinícius), que o poeta conheceu em Punta del Este em 1975.

Em homenagem a Marta, que tinha 23 anos, compôs “Amigo portenho”, canção na qual pede a seu amigo de Buenos Aires que, caso veja uma determinada garota na rua, lhe diga que está morto de saudade.

Meses depois, no dia 18 de março de 1976, poucos dias antes do golpe militar que implantaria a mais sanguinária ditadura argentina, desapareceu em pleno centro portenho seu pianista, Tenório Cerqueira Jr. O pianista teria sido detido e assassinado por engano por integrantes da Marinha argentina. Vinícius o procurou intensamente e mobilizou todos seus contatos para encontrar seu amigo e músico. No entanto, seu corpo jamais apareceu.

Entristecido, Vinícius começou a frequentar Buenos Aires com menos regularidade e instalou-se no Rio com Marta. A relação de ambos prolongou-se de 1976 a 1978.

blog1vinheta62 VINÍCIUS URUGUAIO – Wenner sustenta que, mais do que a presença de Vinícius na Argentina, a expressão correta deveria ser “no rio da Prata”, já que o poeta iniciou sua presença na área na margem esquerda do rio, em Montevidéu, quando era cônsul brasileiro.

O livro de Wenner inicia com o insólito relato de uma noite de véspera de Natal na capital uruguaia em 1958, quando três irmãos de uma família destacada de Montevidéu, procurando um bar aberto para celebrar foram ao “Pigmalión”, um bar de prostitutas. Ali, um deles, Marcelo Acosta y Lara, viu um homem, sentado no fundo do salão. Com pena do solitário cliente, o convidaram para beber.

Nessa noite – regada com abundantes destilados – iniciou uma amizade que levaria Vinícius a fazer sua primeira gravação. “Ele quase ainda não havia gravado discos, pois dizia que tinha uma voz ruim para isso”, relata no livro Acosta y Lara, cuja família era dona de uma estação de rádio em Montevidéu.

Em seu apartamento na capital uruguaia, no bairro de Pocitos, Vinícius compôs “A Felicidade”.

blogvinicius-5b

blog1vinheta79

blog1vinheta55b Uma das gravações feitas em “La Fusa”, a canção “Tomara”. Aqui.

blog1vinheta55b Outra das gravações em “La Fusa”: “Que Maravilha”Aqui.

blog1vinheta55b Mais uma, “Irene”. Aqui.

blogviniciuscapalivro2

Capa do livro de Liana Wenner, a primeira obra que relata detalhadamente a presença de Vinícius em ambas margens do Rio de Prata (mais na margem direita do que na esquerda)

blog1vinhetas25-c

hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra).

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão:

……………………………………………………………………………………………………
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados.
Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral ou partidária também será eliminada dos comentários.
Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico
).

……………………………………………………………………………………………….. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.