Kici-love: Ministro-galã de Cristina Kirchner “calienta” legião de fãs enquanto economia esfria
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Kici-love: Ministro-galã de Cristina Kirchner “calienta” legião de fãs enquanto economia esfria

O ministro da Economia, Axel Kicillof (ou como o chamam as fãs, “Kici-love” e “Kiss and Love”), é a nova estrela no governo Kirchner.

arielpalacios

26 de agosto de 2014 | 15h07

Kicillof gera grande frisson entre as militantes kirchneristas. E as anti-kirchneristas, embora condenem a política econômica do ministro, admitem que Kicillof é “buen mozo” (boa-pinta). Outras utilizam uma expressão mais enfática, de caráter copulativo, que é uma metáfora laticínia: “lo parto como un queso” (o parto como um queijo).

“La economía se enfría pero Kicillof calienta las fans” (a economia esfria mas Kicillof esquenta as fãs) é o novo ditado que circula em na capital argentina como ironia aos índices que indicam que enquanto o país cada vez mais mergulha na recessão, o ministro da Economia, Axel Kicillof, torna-se uma celebridade que gera frisson nas fileiras femininas do kirchnerismo, especialmente entre as integrantes de “La Cámpora”, denominação da juventude kirchnerista, que nas redes sociais o classifica como “sexy”. Várias fãs o denominam de “Kici-love” ou “Kiss and Love”, brincando com o som de seu sobrenome de origem russo. Seus críticos também apelam ao sobrenome, mas para ironizá-lo, chamando-o de “Kid-cillof”, em alusão a “kid” (garoto em inglês).

O comandante da pasta da economia ostenta olhos azuis, costeletas dos anos 70, um estilo ‘decontracté’ (abomina o uso de gravatas) e aspecto juvenil que o ‘baby face’ faz parecer um homem na casa dos 30 (fará 43 anos daqui a um mês). O look do ministro é radicalmente diferente do perfil tradicional de seus antecessores na pasta, geralmente com ventres protuberantes, carecas, grisalhos e escondidos atrás de óculos fundos de garrafa.

Na Argentina o ministro – que é casado com uma professora de literatura e tem dois filhos – apesar de ser baixinho arranca suspiros e aplausos das militantes de “La Cámpora”, denominação da juventude kirchnerista. No âmbito internacional, além dos comentários picantes sobre Kicillof nas redes sociais, o portal internacional de notícias “BuzzFedd” recentemente postou uma galeria de fotos do ministro e indicou que “a Argentina deu o calote em seus pagamentos da dívida pública. De novo. Mas a internet está obcecada com Axel Kicillof, o bonitão ministro da economia do país”.

Cristina Kirchner, em novembro passado, empossa seu novo ministro da Economia, Axel Kicillof. Ou, como o chamam as fãs, “Kici-love” e “Kiss and Love”.

Nos eventos públicos do governo o ministro é o mais procurado (praticamente o único na hora dos ‘selfies’) por suas admiradoras, que agora também o consideram um “defensor da pátria” por seu confronto frontal com os fundos hedge, aos quais chama de “fundos abutre”. “Está crescendo seu perfil de rockstar”, sustentou há poucos dias o jornal portenho “Perfil”.

Economista de passado marxista converso ao multifacético e sempre mutável peronismo, é a estrela do governo argentino desde que assumiu formalmente o ministério em novembro passado. Kicillof, que tem crescente influência sobre a presidente Cristina Kirchner e conta com a amizade e o respaldo do geralmente desconfiado primogênito dos Kirchners, Máximo, que é o sustento emocional de sua mãe desde que ficou viúva após a morte de Néstor Kirchner em 2010.

“Ela está hipnotizada por ele”, admitem parlamentares kirchneristas em Buenos Aires. “A presidente está hipnotizada por mim”, afirmou o próprio Kicillof tempos atrás, segundo o biógrafo não-autorizado do ministro, o jornalista Ezequiel Burgos no livro “O crente”.

Mas enquanto o perfil de celebridade do ministro cresce dia a dia, a economia argentina acelera o declínio. Desde o início do ano a produção automotiva caiu 23,3%, o superávit comercial nos últimos doze meses teve uma redução de US$ 1,46 bilhão, a atividade industrial registra uma queda de 3,7% desde janeiro, enquanto que as reservas do Banco Central diminuíram em US$ 1,74 bilhões.

Além disso, a Argentina está em estado de calote parcial com os credores nos Estados Unidos, as empresas estão realizando demissões, a tensão sindical cresce e o país também está colidindo com a Organização Mundial do Comércio. De quebra, a Argentina, por seu protecionismo, está irritando seus sócios do Mercosul. Apesar disso, setores do kirchnerismo especulam seu nome como eventual candidato à presidência da República, embora sua desaprovação popular seja de 54%, contra uma aprovação de 22%, segundo pesquisa da consultoria González & Valladares.
Recentemente a presidente Cristina em discurso na Casa Rosada definiu Kicillof como “pequenino mas eficaz”. Ela referia-se à baixa estatura do ministro e sua intensa dedicação ao governo.

Cristina Kirchner observa seu ministro durante as cerimônias de celebração do aniversário da Bolsa de Valores de Buenos Aires.

Para embalar esta 3afeira, a genial Alberta Hunter canta “My handyman”, plena de picantes jogos de palavras (ao vivo, 1981):

hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra). Em 2013 publicou “Os Argentinos”, pela Editora Contexto, uma espécie de “manual” sobre a Argentina. Em 2014, em parceria com Guga Chacra, escreveu “Os Hermanos e Nós”, livro sobre o futebol argentino e os mitos da “rivalidade” Brasil-Argentina.

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão, aqui.

E, the last but not the least, siga @EstadaoInter, o Twitter da editoria de Internacional do Estadão.
E, de bonus track, veja o Facebook  da editoria de Internacional do Portal do Estadão,aqui.
.…………………………………………………………………………………………………………………………………………………
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral (ou político-partidária) e publicidade religiosa também serão eliminadas dos comentários. Não é permitido postar links de vídeos. Os comentários que não tiverem qualquer relação com o conteúdo da postagem serão eliminados. Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: