Monumento à propina – o único no mundo – está no centro de Buenos Aires
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Monumento à propina – o único no mundo – está no centro de Buenos Aires

arielpalacios

15 de março de 2009 | 11h00

propina2
O colossal edifício que nos anos 40 albergou o antigo Ministério de Obras Públicas (que movimentava grande parte do Orçamento Nacional da época) – e que atualmente é a sede da pasta de Ação Social (que hoje em dia movimenta grande parte do Orçamento Nacional) – ostenta o único ‘monumento à propina’ conhecido no planeta.
Na ponta que olha para o norte, do lado direito do edifício art-déco – para quem entra no Ministério – está a estátua de um homem que, com pouca sutileza, coloca os dedos abertos estratégicamente para o lado, na espera de uma “molhada de mão”.
Diz a lenda que o arquiteto colocou essa estátua ali como recado futuro sobre as eventuais negociatas que seriam protagonizadas nesse edifício. Durante anos, o detalhe passou desapercebido.
A estátua está na artéria mais movimentada do centro de Buenos Aires: Avenida 9 de Julio, 1925.

Propina1

PROPINAS MAIS CARAS – Uma pequisa realizada pela consultoria KPMG no início deste ano destacou que a imensa maioria dos altos executivos entrevistados afirmam que as propinas solicitadas – em média – são de 20% do total da quantia dos contratos.

Isso indica que os custos dos subornos cresceram de forma exponencial ao longo dos últimos 30 anos no país. Segundo fontes empresariais, nos anos 80 o pedido para “molhadas de mão” costumava ser de 6% do contrato.
Mas, nos anos 90 – embalada pelas controvertidas privatizações realizadas durante o governo do presidente Carlos Menem – a proporção elevou-se para uma faixa entre 8% e 10%.

Em 2003, um poderoso ministro do governo do então presidente Néstor Kirchner foi batizado (pelas más línguas) de “Celular”.
O irônico apelido fazia referência ao prefixo “15” dos telefones celulares na Argentina, em alusão à suposta comissão de 15% que ele cobrava dos contratos que autorizava.
O apelido já não vale, pois – novamente, segundo as más línguas – a tarifa teria subido.

VOCABULÁRIO DAS PROPINAS
Coima – Suborno preparado, organizado. “Propina”, em espanhol, é usado para “gorjeta”.

La Banelco – Alusão à “Banelco”, marca de um cartão de débito bancário. Surgiu no ano 2000, quando o então ministro do Trabalho, Alberto Flamarique, teria afirmado que resolveria um impasse sobre a votação da polêmica Lei Trabalhista no Senado com “La Banelco”. Ou seja, pagando aos senadores. O termo é usado de forma geral para o pagamento de subornos em empresas e governo.

Diego – Alusão a “El Diez” (O Dez), apelido do ex-astro do futebol, Diego Armando Maradona, por causa do número em sua camiseta. Mas, neste caso, o “Diego” refere-se ao 10% de alguma quantia em jogo. Uma espécie de dízimo periódico. Essa proporção, evidentemente, foi superada nos últimos anos.

Sobre – “Sobre” é “envelope”. Os subornos são enviados em envelopes.

Cadena de la felicidad – Rede da felicidade. O dia – ou semana – em que são distribuídos os “sobres”.

Tener el lápis – “Ter o lápis” é ter o poder. E, consequentemente, é quem – no governo – pode autorizar contratos com empresas. Estas, precisam pagar a comissão para quem “tiene el lápis”.

FRASES SOBRE PROPINAS E CORRUPÇÃO
“Para que a Argentina progrida, a gente tem que deixar de roubar pelo menos durante dois anos” (Luis Barrionuevo, um dos principais líderes sindicais do país, nos anos 90).

– “Neste país ninguém faz dinheiro trabalhando” (Luis Barrionuevo, sindicalista, na virada deste século).

– “Se fosse pelos antecedentes penais e judiciários, não sobraria ninguém no país” (José Luis Manzano, Ministro do Interior no governo Menem, no início dos anos 90).

– “A economia da Argentina só cresce porque de noite os políticos e empresários estão dormindo e não podem roubar” (estadista francês Georges Clemenceau, após sua visita à Buenos Aires no começo do século vinte).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.