“Os Hermanos” deseja a todos um supimpaço 2015! E de bônus track, umas recomendações (supostamente) do escritor Benito Pérez Galdós
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

“Os Hermanos” deseja a todos um supimpaço 2015! E de bônus track, umas recomendações (supostamente) do escritor Benito Pérez Galdós

arielpalacios

31 de dezembro de 2014 | 19h28

Celebração de arromba toma conta do quartel-general náutico do blog “Os Hermanos” nesta noite do dia 31 de dezembro, derradeira jornada de 2014.

A noitada está sendo embalada por um de nossos dois grupos (amadores, obviamente) de gaita de foles, o “Los troesmas de Villa Crespo”. Os integrantes do outro conjunto, de “Los avivados de Balvanera”(que reunificaram-se após uma breve cisão por divergências políticas no ano passado), passam mal com a maré do Rio da Prata, encrespado. Prevendo uma eventual baixa musical transitória, também está presente o dissidente grupo klezmer-techno “Patrício Koenig y Los Vareniquecitos de Ricota”, do bairro do Once, que entoou “Tangelle que me hiciste mal y sin embargo te quiero” com um touch de chacareira. A noitada binacional a bordo começou com o clássico “I left my heart in Chascomús”. Tudo indica que de madrugada serão entoados os acordes da versão sertaneja-PhD de “Adiós Quixeramobim mía”.

Como de costume, o deputado Mutatis de Olivera e seu irmão e senador Mutandis de Olivera – que disputarão sua 8ª reeleição em outubro do ano que iniciam – fizeram discursos com um balanço de 2011 (Mutatis, que estava bêbado e errou o ano) e sobre as perspectivas para 2015 (este, o Mutandis que estava sóbrio…ou quase isso).

Na seqüência, o senador Byron Bezerra, que veio especialmente de S.Luis (Maranhão, não o território puntano), começou a recitar um poema épico embalado pelo moscato “El Vasquito”, néctar inexorável de nossas noitadas. No entanto, a ingestão opípara de mollejas, preparadas por nosso chef, Bolívar Pueyrredón-Billinghurts, somado ao balançar do navio, e um chimichurri de duvidosa validade, provocaram distúrbios de caráter estomacal que interromperam a leitura poética.

Mas o parlamentar não perdeu a oportunidade de despotricar contra o monopólio do sal de frutas. Seu aliado, o deputado Vladivostock Menezes Sobrinho, tomou a palavra para pedir “alka seltzer para todos e todas!”. Aplausos.

“Não pouparemos esforços nesse sentido”, prometeu o bravo legislador (pelo quarto ano consecutivo…e , como de costume, sem avanços).

Ambos foram ovacionados pelos presentes, que pediram a criação de uma comissão – em caráter de urgência – para encaminhar um projeto de lei aos honoráveis Congressos de ambos países – “nesse sentido” e “objetivando”– além de enviar propostas para análise das organizações regionais no próximo convescote presidencial.

Menu da noitada: mollejas à provençal, pizza e fainá “revisitado”. Tudo regado – comme il faut – com moscato.

Sobremesa: flan com dose dupla de dulce de leche, segundo anúncio do próprio senador Mutandis, “porque se me canta poner doble”, após fazer alusões sobre um duplo income proveniente de alguma votação no plenário, mas sobre o qual posteriormente disse nada lembrar.

“Relaxem! As ondas passarão!”, exclamou Vladivostock, enquanto erguia a taça do primeiro brinde da noite e fazia os passos de um xaxado no convés inclinado.

2015 será fascinante. Jornalísticamente falando, pelo menos.

Los Troesmas de Villa Crespo em todo seu esplendor.

E aqui, Mafalda e o Ano Novo:

BlogAnoNovoMafalda

E, de presente aos amigos, um clássico espanhol – com mais de um século de existência – sobre as “Etapas da bebedeira”, cuja autoria é desconhecida, embora em algumas ocasiões foi atribuído ao escritor Benito Pérez Galdós. A seqüência é útil para esta noite:

1 – Bebida leve em copo pequeno

2- Bebida em copo grande

3 – Exaltação da amizade

4 – Cantos alegóricos e danças regionais (que atualmente pode ser substituída por hinos dos times de futebol ou os hits do momento)

5 – Momentos de declarar “verdades” e empatias pessoais

6 – Aumento da temperatura e assédio sexual (que inclui a auto-apresentação a desconhecidos)

7 – Revelação da verdadeira personalidade

8 – Degradação do idioma

9 – Insultos contra o clero, o Estado (e outros poderes)

10 – Declarações de auto-suficiência moral e econômica

11 – Deslocamento ou transmissão da culpabilidade

12 – Repentina perda do equilíbrio

13 – Destruição do imóvel

14 – Resistência à saída do imóvel onde transcorre a bebedeira

15 –Taquicardia e delírio de perseguição

16 – Amnésia, crua realidade e juramentos posteriores

17 – Contabilidade dos prejuízos

18 – Declarações enfáticas sobre a determinação a não voltar a beber

Blogbenitoperezgaldos

O escritor espanhol Benito María de los Dolores Pérez Galdós (1843-1920), suposto autor da sequência sobre a bebedeira. Quadro de Joaquín Sorolla, um de meus pintores favoritos. Mais detalhes sobre Sorolla, aqui.

blog1dedo4baixoE, para encerrar, “When you’re smiling”. C0m Louis Prima. Um excelente 2015 a todos! 

BlogVinhetaMundo (2)BlogVinhetaMundo (2)BlogVinhetaMundo (2)BlogVinhetaMundo (2)BlogVinhetaMundo (2)

hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra). Em 2013 publicou “Os Argentinos”, pela Editora Contexto, uma espécie de “manual” sobre a Argentina. Em 2014, em parceria com Guga Chacra, escreveu “Os Hermanos e Nós”, livro sobre o futebol argentino e os mitos da “rivalidade” Brasil-Argentina.

No mesmo ano recebeu o Prêmio Comunique-se de melhor correspondente brasileiro de mídia impressa no exterior.

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão, aqui.

E, the last but not the least, siga @EstadaoInter, o Twitter da editoria de Internacional do Estadão.
E, de bonus track, veja o Facebook  da editoria de Internacional do Portal do Estadão,aqui.
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral (ou político-partidária) e publicidade religiosa também serão eliminadas dos comentários. Não é permitido postar links de vídeos. Os comentários que não tiverem qualquer relação com o conteúdo da postagem serão eliminados. Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).