Pipocas: as novas vítimas colaterais das barreiras protecionistas do governo Kirchner
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pipocas: as novas vítimas colaterais das barreiras protecionistas do governo Kirchner

arielpalacios

18 de julho de 2012 | 17h02

O milho é “Nac e Pop” (nacional e popular). Mas as máquinas industriais que transformam o milho em ‘pochoclo’ (pipoca) são estrangeiras.

A bateria de medidas protecionistas impostas pelo governo da presidente Cristina Kirchner está a ponto de liquidar um dos prazeres dos espectadores dos cinemas argentinos: a pipoca. Este alimento fast-food, inexoravelmente associado ao ato de assistir um filme, está em vias de extinção na Argentina, já que o secretário de Comércio Interior do país, Guillermo Moreno, além de limitar a entrada de produtos como fraldas, autopeças, seringas, remédios (inclusive oncológicos), pneus e livros, entre centenas de outros manufaturados ou insumos estrangeiros, também está bloqueando a entrada de máquinas de produção industrial de pipoca, importadas dos Estados Unidos, China e Rússia.

Os gerentes de cinema sustentam que a venda de pipoca é um dos pilares das salas de cinema na Argentina. Sem a venda desse produto para os espectadores, as entradas de cinema custariam 50% a mais no país.

“O único consolo que temos é que a situação poderia ser pior, caso o milho de pipoca fosse importado. Mas, por sorte, ele é 100% argentino”, me explicou em off um gerente de um cinema no bairro da Recoleta.

Recentemente os cinemas argentinos também haviam padecido problemas para renovar as poltronas das salas, já que também são um produto importado que estava barrado na alfândega.

Em dezembro passado a presidente Cristina Kirchner havia dado o tom de sua política econômica: “não queremos importar um prego sequer!” A ordem era para bloquear ao máximo a entrada de produtos do exterior, inclusive de seus sócios do Mercosul.

 

E falando em pipoca…o Crónica TV, um canal de TV especializado em notícias surrealistas, deu estas surrealistas manchetes em 2005 sobre a morte da Rainha do Milho, que havia falecido eletrocutada.

COPOS NACIONAIS – As barreiras aplicadas às importações por parte do secretário Moreno também causaram problemas para a rede de cafés Starbucks na Argentina. Na terça-feira de manhã a empresa divulgou pelo twitter e por seu blog um pedido de “perdão” aos clientes pela escassez dos tradicionais copos de papelão da Starbucks com o logotipo da empresa, além da falta de suas mangas.

Segundo a empresa, os produtos que eram importados tiveram “uma interrupção temporária do estoque”, fato que provocou a necessidade de usar material nacional. Os copos nacionais eram idênticos, embora brancos e sem logotipo algum.

“Estamos trabalhando para que esta situação seja normalizada o mais rápido possível e que cada um de vocês possam desfrutar sua bebida como sempre”, informou a Starbucks.

O comunicado desatou a fúria nos usuários das redes sociais e nos leitores de meios digitais. Imediatamente, milhares de pessoas – embaladas pelo nacionalismo econômico que cresceu nos últimos anos – escreveram irritadas mensagens no twitter protestando contra o “pedido de perdão” da Starbucks, considerando-o “ofensivo” com os produtos Made in Argentina.

A intensa reação negativa na opinião pública levou a empresa a pedir perdão por seu perdão inicial.

O gerente-geral da Starbucks, Diego Paolini, explicou que o pedido de desculpas pelo uso de copos nacionais havia sido “um erro de redação no comunicado”. O executivo ressaltou que 70% dos produtos usados pelos cafés Stabucks na Argentina são de origem nacional.

O affaire Starbucks tornou-se um dos assuntos mais comentados na rede de micro-blogging Twitter com as hastags #labandadelStarbucks e #pedimosdisculpas, que foram trending-topic na Argentina.

E para encerrar, lembrando do milho mais uma vez, “El Choclo” (‘O milho verde’…na postagem original havia colocado ‘sabugo’, mas minha mãe, tradutora, me corrigiu), com a orquestra de Francisco Canaro (música de Ángel Villoldo):

 

   

 hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra).

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão:

E, the last but not the least, siga o @inter_estadão, o Twitter da editoria de Internacional do estadão.com.br .
Conheça também os blogs da equipe de Internacional do portal correspondentes, colunistas e repórteres. 
E, de bonus track, veja o Facebook da editoria de Internacional do Portal do Estadão, aqui. 
.………………………………………………………………………………………………………………………………………………….
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral (ou político-partidária) e publicidade religiosa também serão eliminadas dos comentários. Não é permitido postar links de vídeos. Os comentários que não tiverem qualquer relação com o conteúdo da postagem serão eliminados. Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).