Política, sexo & viagem no tempo: Cristina Kirchner diz que gostaria de ter seduzido o criador da bandeira argentina, Manuel Belgrano
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Política, sexo & viagem no tempo: Cristina Kirchner diz que gostaria de ter seduzido o criador da bandeira argentina, Manuel Belgrano

arielpalacios

25 Setembro 2013 | 12h00

Manuel Belgrano, criador da bandeira e general das batalhas da independência argentina, teria sido alvo de tentativas de sedução da presidente Cristina Kirchner em caso de viagem no tempo.

A presidente Cristina Kirchner declarou que teria tentado seduzir o general Manuel Belgrano – o criador da bandeira argentina em 1812 – se tivesse sido sua contemporânea. “Teria sido sua mulher. Teria tentado seduzi-lo. E não sei se ele teria me abandonado”, disse Cristina em referência aos próprios dotes de sedução e ao casanova líder, que foi um dos principais heróis da independência da Argentina e deixou uma série de mulheres encantadas por seu charme na sociedade da época.

A presidente fez estas declarações em tom intimista durante “Desde outro lugar”, seu programa próprio de entrevistas. O show, no qual é sempre a única entrevistada, começou a ser transmitido pela estatal TV Pública há dois fins de semana.

Na segunda edição do programa neste sábado, Cristina também disse que relaxa das tensões “cortando rosas” nos jardins da residência presidencial de Olivos.

Cristina também afirmou que se incomoda quando é chamada de “égua” ou “puta” nas redes sociais. Mas, sustentou que fica mais chateada quando fazem comentários sobre seus filhos, Florência (cineasta amadora) e Máximo (líder simbólico de “La Cámpora”, a juventude kirchnerista).

Sobre seu neto, Nestor Ivan Kirchner, explicou que é um “completo manipulador”. O bebê nasceu em julho passado.

“O que eu faço aqui? Às vezes me pergunto isso. Como cheguei aqui? Isso é complexo. Mas ninguém chega sozinho, sempre acompanhada de uma história e de pessoas, de companheiros”, disse Cristina durante a entrevista.

Na primeira emissão do programa, feita às 11:00 horas no sábado dia 14, a audiência foi muito baixa. Por isso, neste fim de semana o governo decidiu emitir a entrevista em horário nobre, à noite, na brecha entre dois jogos de elevado interesse para os torcedores argentinos: em embate do River Plate versus o All Boys e o Boca Juniors contra o Argentinos Jrs. No entanto, apesar da manobra para aproveitar a audiência dos jogos de futebol, cujas transmissões de TV foram estatizadas em 2009, Cristina teve somente 10% de público.

TELHA – O entrevistador do programa, o jornalista Hernán Brienza, autor de um dos livros preferidos de Cristina, “O louco Dorrego”, afirmou que antes da primeira entrevista disse à presidente que queria falar com ela “uns minutos”, antes de começar. “Assim fico menos nervoso”, explicou Brienza a Cristina. A presidente respondeu: “não tem problema. Você pergunta o que quiser. E eu vou te responder o que me der na telha”. Quando as câmeras foram ligadas, Brienza começou a entrevista com uma afirmação em vez de uma pergunta: “seu sorriso está muito bonito hoje, presidente Cristina”.

hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra).

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão:

E, the last but not the least, siga o @inter_estadãoo Twitter da editoria de Internacional do estadão.com.br .
Conheça também os blogs da equipe de Internacional do portal correspondentes, colunistas e repórteres.
E, de bonus track, veja o Facebook  da editoria de Internacional do Portal do Estadão,aqui.
.………………………………………………………………………………………………………………………………………………….
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral (ou político-partidária) e publicidade religiosa também serão eliminadas dos comentários. Não é permitido postar links de vídeos. Os comentários que não tiverem qualquer relação com o conteúdo da postagem serão eliminados. Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).