Seção ‘Tempus fugit’ – O Comitê Olímpico faz um alerta ao Rio de janeiro: “devem acelerar”
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Seção ‘Tempus fugit’ – O Comitê Olímpico faz um alerta ao Rio de janeiro: “devem acelerar”

arielpalacios

05 Setembro 2013 | 09h38

Jacques Rogge, presidente do COI, sustentou que ‘o tempo passa rápido’. Ou, como diriam os romanos de antanho no idioma de Ovídio, “tempus fugit”

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), o belga Jacques Rogge, afirmou nesta quarta-feira que a cidade do Rio de Janeiro “deve acelerar” algumas obras para estar pronta para os jogos olímpicos de 2016. Respondendo uma pergunta do Estado, Rogge sustentou que ele e os integrantes do COI possuem boas expectativas sobre as tarefas pendentes no Rio: “somos otimistas de que serão feitas”.

No entanto, na sequência, levantando uma sobrancelha em sutil sinal de alerta sobre o prazo que resta, Rogge ponderou: “mas não podemos esquecer que o tempo passa rápido”.

Rogge e uma centena de membros do COI estãoem Buenos Aires participandoda 125ª.reunião do comitê.

Em sua última coletivade imprensa comopresidente do COI, Rogge, que passará seu cargo a um sucessor que será escolhido na terça-feira na reuniãode Buenos Aires,evitou qualquer comentário sobre as chances das cidades que disputam a sede dos jogos de 2020 (Madri, Istambul e Tóquio). Rogge afirmou que o COI “não decide pela situação atual” de uma cidade ou um país. “Mas sim pela projeção de como estará daqui a sete anos”.

Rogge declarou que os maiores desafios do novo presidente do COI serão a organização de bons jogos, a luta contra o doping e assegurar financiamento. No entanto, admitiu que “o doping nunca desaparecerá totalmente. Infelizmente, é como a criminalidade em relação à sociedade”.

Fazendo um balanço sobre os doze anos no comando do COI, Rogge disse que “nem sempre” se divertiu na liderança desse entidade. No entanto, admitiu que “sempre” foi excitante. Segundo ele, sua partida o “emociona”. Mas vai embora “sem nostalgia”. Depois, em tom irônico, afirmou que a única coisa que não conseguiu realizar com sucesso nestes doze anos no comando do comitê foi seu desejo de “dormir de forma suficiente e deitar em horas decentes”.

E falando no tempo que passa rapidinho, Miles Davis em “Tempus fugit”:

hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra).

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão:

E, the last but not the least, siga o @inter_estadãoo Twitter da editoria de Internacional do estadão.com.br .
Conheça também os blogs da equipe de Internacional do portal correspondentes, colunistas e repórteres.
E, de bonus track, veja o Facebook  da editoria de Internacional do Portal do Estadão,aqui.
.………………………………………………………………………………………………………………………………………………….
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral (ou político-partidária) e publicidade religiosa também serão eliminadas dos comentários. Não é permitido postar links de vídeos. Os comentários que não tiverem qualquer relação com o conteúdo da postagem serão eliminados. Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).