Argentinos não querem um terceiro mandato de “La Pingüina”, indica pesquisa (pelo menos, não imediatamente)
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Argentinos não querem um terceiro mandato de “La Pingüina”, indica pesquisa (pelo menos, não imediatamente)

A maioria dos argentinos rejeita os planos da Casa Rosada para relançar a campanha para modificar a constituição nacional de forma a permitir que a presidente Cristina Kirchner dispute sua segunda reeleição presidencial em outubro do ano que vem, de forma consecutiva.

arielpalacios

24 de setembro de 2014 | 21h23

Presidente argentina perderia eleição se pudesse disputar terceiro mandato. Argentinos não querem, segundo pesquisa, um terceiro mandato consecutivo de “La Pingüina” (A Pinguim-fêmea), tal como é apelidada. 

A maioria dos argentinos rejeita os planos da Casa Rosada para relançar a campanha para modificar a constituição nacional de forma a permitir que a presidente Cristina Kirchner dispute sua segunda reeleição presidencial em outubro do ano que vem, de forma consecutiva. Isso é o que indica uma pesquisa elaborada pela consultoria de opinião pública Federico González & Cecilia Valladares, que sustenta que 67,5% dos entrevistados posicionam-se contra a possibilidade de habilitar a presidente para um novo mandato. Apenas 27,8% concordam com a ideia de uma mudança da lei que permita o que os argentinos ironicamente denominam de “re-releeição”.

A ideia de mudar a carta magna para permitir um terceiro mandato consecutivo de Cristina Kirchner foi lançada em 2011, pouco após sua reeleição, com o slogan de “Cristina eterna”. No entanto, o crescimento da inflação, os escândalos de corrupção envolvendo o vice-presidente Amado Boudou e empresários amigos do casal Kirchner, além da derrota nas eleições parlamentares de 2013, colocaram a pique a campanha.

Para conseguir uma modificação da constituição o governo Kirchner precisaria dois terços do Parlamento, algo que seria impossível atualmente, já que a Casa Rosada conta com uma maioria ajustada na Câmara e no Senado.

No entanto, há nove dias Máximo Kirchner, filho da presidente Cristina, em discurso perante os militantes de “La Cámpora” (denominação da juventude kirchnerista), lançou aos gritos um desafio à oposição: “ora, porque é que não concorrem contra Cristina e ganham dela?”

Máximo, que não possui cargo político algum, embora seja o líder simbólico de “La Cámpora”, afirmou que a oposição “tem medo das urnas”. O líder de facto desse grupo, o deputado Andrés Larroque, também desafiou: “que legitimidade poderia ter o próximo governo se não compete contra a pessoa (Cristina) que possui a maior adesão de nosso povo?”

Carlos Menem, eleito em 1989 e reeleito em 1995, quis driblar a constituição e tentar a re-reeleição em 1999. Não conseguiu e reclamou: “estou sendo proscrito!” Na foto, Menem no apogeu de seu poder nos anos 90 com seus aliados da época, o casal Néstor e Cristina Kirchner. Em 2003 Menem tornou-se inimigo do casal. Mas, desde 2010 o ex-presidente, atual senador, é um fiel aliado de Cristina (e é um voto crucial para o governo no Senado).

A pesquisa sustenta que, na hipótese em que a presidente Cristina disputasse uma nova eleição, perderia para o líder da Frente Renovadora, Sergio Massa, um peronista dissidente que foi ministro da presidente. Massa teria 45,1% dos votos, enquanto que Cristina contaria com 34,9%. Neste cenário, 13,8% votariam em branco.

Se a disputa fosse contra o líder do partido Proposta Republicana (PRO) e prefeito de Buenos Aires, Maurício Macri, Cristina teria 36,5% dos votos. Macri conquistaria 38,9%. Os votos brancos constituiriam 19%.

Até agora a presidente Cristina não emitiu sinais claros sobre um eventual candidato do kirchnerismo. No entanto, um dos nomes especulados dentro da Casa Rosada é o do governador da província de Buenos Aires, Daniel Scioli, um kirchnerista “light” que os aliados da presidente não digerem facilmente, já que o consideram que “flerta” com o neoliberalismo. Mas, analistas consideram que eventualmente Scioli poderia afastar-se do kirchnerismo e apresentar uma candidatura por fora. A pesquisa indica que, se Cristina enfrentasse Scioli nas urnas, teria a única alternativa de vitória, com 32,7% dos votos, enquanto que Scioli conseguiria 28,8%. Neste caso 30,1% dos eleitores votariam em branco.

As normas da constituição nacional possibilitam que Cristina Kirchner possa ser candidata presidencial nas eleições de 2019 (ou dali para a frente).

Cristina Kirchner, em foto de novembro passado na residência presidencial de Olivos, com seu cão Simón e um pinguim de pelúcia.

hirschfeldfarrago3PERFIL: Ariel Palacios fez o Master de Jornalismo do jornal El País (Madri) em 1993. Desde 1995 é o correspondente de O Estado de S.Paulo em Buenos Aires. Além da Argentina, também cobre o Uruguai, Paraguai e Chile. Ele foi correspondente da rádio CBN (1996-1997) e da rádio Eldorado (1997-2005). Ariel também é correspondente do canal de notícias Globo News desde 1996.

Em 2009 “Os Hermanos recebeu o prêmio de melhor blog do Estadão (prêmio compartilhado com o blogueiro Gustavo Chacra). Em 2013 publicou “Os Argentinos”, pela Editora Contexto, uma espécie de “manual” sobre a Argentina. Em 2014, em parceria com Guga Chacra, escreveu “Os Hermanos e Nós”, livro sobre o futebol argentino e os mitos da “rivalidade” Brasil-Argentina.

passaro4 Acompanhe-nos no Twitter, aqui.

blog1vinhetalendonewsstand4 …E leia os supimpas blogs dos correspondentes internacionais do Estadão, aqui.

E, the last but not the least, siga @EstadaoInter, o Twitter da editoria de Internacional do Estadão.
E, de bonus track, veja o Facebook  da editoria de Internacional do Portal do Estadão,aqui.
.…………………………………………………………………………………………………………………………………………………
Comentários racistas, chauvinistas, sexistas, xenófobos ou que coloquem a sociedade de um país como superior a de outro país, não serão publicados. Tampouco serão publicados ataques pessoais aos envolvidos na preparação do blog (sequer ataques entre os leitores) nem ocuparemos espaço com observações ortográficas relativas aos comentários dos participantes. Propaganda eleitoral (ou político-partidária) e publicidade religiosa também serão eliminadas dos comentários. Não é permitido postar links de vídeos. Os comentários que não tiverem qualquer relação com o conteúdo da postagem serão eliminados. Além disso, não publicaremos palavras chulas ou expressões de baixo calão (a não ser por questões etimológicas, como background antropológico).